sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

PS salienta que só viabiliza governo que cumpra regras orçamentais

O PS emitiu hoje um comunicado em que se pretende assegurar que um acordo de Governo entre socialistas, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes terá como base um programa que cumprirá as regras orçamentais de Portugal. Mas, para já, vai centrar-se na apreciação da proposta do executivo indigitado

MANUEL DE ALMEIDA

Este comunicado difundido pelo Gabinete de Imprensa do PS surge na sequência da publicação em vários órgãos de comunicação social com estimativas orçamentais caso medidas como o aumento do salário mínimo ou a reposição em 2016 dos salários dos trabalhadores do setor público façam parte de um acordo programático entre PS, Bloco de Esquerda, PCP e PEV:

"Face a notícias que têm vindo a público acerca das implicações orçamentais do acordo entre o PS, BE, PCP e PEV, o PS reafirma que as regras orçamentais serão cumpridas. O PS reafirma que apenas viabilizará um Governo que garanta o cumprimento das obrigações do país em termos orçamentais".

No mesmo texto, refere-se porém que, "no atual momento, o PS entende que o processo político deverá centrar-se" na apreciação da proposta de programa do Governo indigitado PSD/CDS "e nas consequências económicas e sociais para o país que decorrem das medidas nele contidas".

"O PS considera fundamental que o Governo PSD/CDS apresente uma avaliação do impacto das medidas do seu programa, sem o qual não é possível avaliar a sua consistência com o cumprimento dos compromissos orçamentais", contrapõe-se no comunicado dos socialistas.

Com Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.