sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Programa de Governo tem de ser apresentado no Parlamento até 9 de novembro

O programa de Governo tem de ser apresentado e votado pelo Parlamento até ao dia 9 de novembro e a sua rejeição implica a demissão do executivo, de acordo com a Constituição.

16 de outubro de 2013 - Passos Coelho durante uma visita ao Palácio Nacional na Cidade do México

16 de outubro de 2013 - Passos Coelho durante uma visita ao Palácio Nacional na Cidade do México

© Edgard Garrido / Reuters

A Lei Fundamental determina que "o programa do Governo é submetido à apreciação da Assembleia da República, através de uma declaração do primeiro-ministro, no prazo máximo de dez dias após a sua nomeação".

Com a tomada de posse do Governo marcada para a próxima sexta-feira, dia 30, o prazo máximo esgota-se no dia 9 de novembro.

O debate do programa de Governo no parlamento "não pode exceder três dias e até ao seu encerramento pode qualquer grupo parlamentar propor a rejeição do programa ou o Governo solicitar a aprovação de um voto de confiança", estabelece ainda a Constituição.

A rejeição do programa do Governo, como já foi anunciado por PS, BE e PCP, "exige maioria absoluta dos deputados em efetividade de funções", que é alcançada pela soma dos parlamentares que constituem as bancadas daqueles partidos.

A rejeição do programa do Governo implica a demissão do executivo, diz também a Lei Fundamental, que estabelece que "em caso de demissão do Governo, o primeiro-ministro do Governo cessante é exonerado na data da nomeação e posse do novo primeiro-ministro".

"Antes da apreciação do seu programa pela Assembleia da República, ou após a sua demissão, o Governo limitar-se-á à prática dos atos estritamente necessários para assegurar a gestão dos negócios públicos", determina a Constituição.

O processo regressa, assim, às mãos do Presidente da República não existindo nenhum prazo para que efetue novas diligências.

Lusa

  • Passos entrega novo governo e toma posse 6ª feira

    Novo Governo

    O Presidente da República recebeu hoje Passos Coelho e concordou com a proposta de composição do novo governo. Há oito ministros que transitam do atual executivo e oito novos nomes. A tomada de posse está marcada para sexta-feira, às 12:00, no Palácio da Ajuda.

  • Oito repetentes, oito novos nomes e dois novos ministérios
    1:33

    Novo Governo

    Já são conhecidos os nomes do novo governo de Passos Coelho. Mais de metade do executivo mantém-se e três secretários de estado são promovidos a ministros, incluindo Saúde e Economia. A pasta da Justiça fica entregue a Fernando Negrão. Há ainda dois novos ministérios: Modernização Administrativa e Cultura, este último criado para tentar agradar ao PS.

  • "Um Governo esgotado e sem futuro", diz PS
    0:45

    Novo Governo

    Na reacção ao novo Governo, o PS ironiza e diz que duvida que os ministério da cultura e da modernização administrativa tenham sido criados para agradar aos socialistas, já que eram propostas do partido. Ana Catarina Mendes diz que os novos nomes conhecidos hoje mostram que este é um governo esgotado e sem futuro.

  • "É um governo feito com a prata da casa"
    1:57

    Novo Governo

    O diretor do Expresso, considera que a formação deste governo é um conjunto de escolhas seguras e expectáveis, feitas com a "prata da casa". "Passos não tem condições para fazer um governo para a legislatura mas não pode deixar de apresentar novidades", aponta ainda Ricardo Costa.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06