sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Governo toma hoje posse no Palácio da Ajuda

Aqui às 11:00

O XX Governo Constitucional liderado pelo social-democrata Pedro Passos Coelho toma hoje posse, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, com queda pré-anunciada através de moções de rejeição de PS, BE e PCP ao programa do executivo. Veja aqui em direto a partir das 11:00 numa emissão especial SIC Notícias.

O Presidente da República, Cavaco Silva, dá posse ao primeiro-ministro e aos 16 ministros, em conjunto com 36 secretários de Estado, contando, assim, com 53 elementos, menos um do que a composição total do anterior governo, que contava com 15 ministros e 39 secretários de Estado.

Após a tomada de posse, marcada para as 12:00, o Governo reúne-se em Conselho de Ministros às 15:30, tal como tinha acontecido em 2011.

A maioria de esquerda no parlamento, composta por PS, BE e PCP, já anunciou a apresentação de moções de rejeição (permanece em aberto a apresentação de um texto comum) ao programa do Governo, que é discutido a 9 e 10 de novembro na Assembleia da República, momento para o qual reservaram também a apresentação do acordo que têm vindo a negociar para um executivo alternativo.

Da maioria de esquerda apenas o PS se fará representar na tomada de posse, através do vice-presidente da bancada e membro do Secretariado Nacional João Galamba.

No novo Governo há oito novos ministro: João Calvão da Silva para a Administração Interna, Fernando Negrão para a Justiça, Miguel Morais Leitão para a Economia, Fernando Leal da Costa, para a Saúde, Margarida Mano, para a Educação e Ciência, Rui Melo Medeiros, para a Modernização Administrativa, Teresa Morais, para a Cultura, Igualdade e Cidadania, e Carlos Costa Neves, para os Assuntos Parlamentares.

Miguel Morais Leitão, Fernando Leal da Costa e Teresa Morais já eram secretários de Estado no anterior Governo de coligação PSD/CDS/PP.

Para além de Paulo Portas, mantêm-se em funções outros sete ministros do Governo cessante: a ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, o ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, o ministro da Presidência, e agora também e do Desenvolvimento Regional, Luís Marques Guedes, o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva, a ministra Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, e o Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares.

Dos 36 secretários de Estado, 14 são novos e 22 transitam do anterior executivo.

Os discursos da tomada de posse de há quatro anos refletiam o recente pedido de ajuda externa, com o Presidente a falar nos "custos catastróficos" do incumprimento e o primeiro-ministro a declarar que "Portugal não falhará".

No seu discurso de posse, no Palácio da Ajuda, Passos Coelho antevia mais tormentas para o país que tinha pedido ajuda externa há poucos meses, no processo que envolveu a queda do anterior governo: "Vivemos tempos difíceis e mais tormentas nos aguardam", declarava.

O então novo primeiro-ministro afirmava que "Portugal jamais poderá regressar à ilusão de que a dívida em espiral alimenta crescimento", porque "sabe por experiência própria que a embriaguez da dívida se limita a encenar um falso e curto bem-estar até ao dia em que chega a fatura e o colapso".

Como num diálogo, o Presidente da República tinha advertido no seu discurso de que "não há motivos para deixar de fazer o que deve ser feito, a começar pelo cumprimento dos compromissos que assumimos perante as instituições internacionais".

"Os custos de um falhanço seriam absolutamente catastróficos e durariam por muitos e muitos anos, hipotecando drasticamente o futuro das gerações mais jovens", declarava o Chefe de Estado.

Cavaco Silva notava que para enfrentar a situação do país o novo Governo dispunha "da força de um resultado eleitoral inequívoco, de uma maioria no Parlamento e da cooperação do Presidente da República", mas alertava Portugal não estava em condições de viver "crises políticas sucessivas", sublinhando que competirá ao novo executivo assegurar que a coligação governativa tenha "solidez, consistência e durabilidade".

Com Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.