sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

PS ataca programa "liberal" do PSD/CDS e Passos a "radicalização" socialista

O PS acusou hoje o Governo PSD/CDS de manter o memorando da 'troika' no seu programa liberal, mas o primeiro-ministro contrapôs que são os socialistas quem se radicalizam e afastaram-se do centro político.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

Estas posições foram trocadas pelo vice-presidente da bancada do PS Pedro Nuno Santos e pelo líder do executivo, Pedro Passos Coelho, no primeiro confronto do debate do programa de Governo, no qual o dirigente socialista criticou o caráter liberal do programa do executivo PSD/CDS.

"Como é que depois de ter perdido o apoio maioritário da população portuguesa e de não ter o apoio parlamentar pensaria em concretizar o seu projeto liberal? Não é a 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia), nem o memorando, que justifica a projeto liberal que foi implementado desde 2011, porque a 'troika' já não está cá, o memorando também não, mas o projeto liberal continua no programa de Governo", declarou o dirigente socialista.

A reposta do primeiro-ministro foi dura e acusou o atual PS de virar à esquerda, frisando que "a maioria europeia não é uma maioria qualquer, mas uma maioria maior".

"Mas, ouvindo o senhor deputado, é muito mais importante enumerar um conjunto de medidas avulsas, voltadas para o curto prazo e para um pulsar mais populista. Quero dizer ao PS, incluindo o seu secretário-geral [António Costa], que ao recusar a maioria maior - a maioria europeia -, verdadeiramente, é o PS quem está a afastar-se do centro político e a radicalizar a sua posição, deixando em risco aquilo que são os esforços de Portugal de recuperação consistente", afirmou, recebendo uma prolongada salva de palmas.

Lusa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.