sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

PAN vai intervir nos debates quinzenais

A conferência de líderes parlamentares decidiu hoje que o deputado do PAN (Pessoas-Animais-Natureza), André Silva, vai poder intervir nos debates de matérias de "prioridade absoluta", debates quinzenais e do estado da Nação.

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco, serão atribuídos tempos ao PAN para intervir nos debates definidos no artigo 62 do Regimento da Assembleia como relativos a "matérias de prioridade absoluta".

Constituem essas matérias a autorização ao Presidente da República para declarar a guerra e fazer a paz, declaração do estado de sítio e do estado de emergência, apreciação do Programa do Governo, votação de moções de confiança ou de censura, aprovação das leis das grandes opções dos planos nacionais e do Orçamento do Estado e interpelações ao Governo.

Com metade do tempo atribuído ao Partido Ecologista "Os Verdes" - que tem dois deputados, formando, assim, um grupo parlamentar - o deputado eleito pelo PAN poderá ainda intervir nos debates quinzenais e do estado da Nação, foi hoje decidido.

Na semana passada, a conferência de líderes parlamentares já tinha decidido pela participação do PAN, com estatuto de observador, naquele órgão parlamentar que fixa a agenda das reuniões plenárias.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.