sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Sampaio da Nóvoa deseja felicidades ao novo Executivo e fala de momento histórico

O candidato a Belém António Sampaio da Nóvoa desejou hoje "as maiores felicidades" ao XXI Governo, considerando que neste "momento histórico" ficou clara a importância do papel do Presidente da República, que não deve excluir ninguém.

Durante o discurso de inauguração da sede de campanha nacional, em Lisboa, e lançamento do livro "Política de Vida", da autoria de Sampaio da Nóvoa, o candidato presidencial afirmou que se está a viver um "momento histórico" e que, "ao fim de cerca de 50 dias de incertezas e de alguma turbulência política, o processo das eleições legislativas está prestes a ficar resolvido".

"Amanhã toma posse um novo Governo, ao qual desejo as maiores felicidades, a bem do país e dos portugueses", enfatizou.

Na opinião de Sampaio da Nóvoa, "agora abre-se um novo capítulo, este capítulo das Presidenciais", considerando que nestas semanas se ficou a saber, primeiro, "a importância do papel de um Presidente da República" na vida política.

"E, contrariamente ao que muitos andaram a dizer, ficámos a saber que não há vencedores antecipados e temos uma eleição em aberto para disputar e para ganhar", destacou ainda.

Para o candidato a Belém, e caso algumas dúvidas houvesse, "as últimas semanas tornaram clara a urgência" da candidatura que encabeça já que "faz falta um Presidente da República capaz de representar todos os portugueses", pegando numa ideia defendida por Carvalho da Silva de que é preciso "construir compromissos históricos num tempo tão exigente da nossa vida".

"Um Presidente que não exclua ninguém, que não fique refém de interesses particulares ou de lógicas partidárias. Um Presidente capaz de acolher e de apoiar as alianças necessárias à estabilidade governativa. Um Presidente sem preconceitos e sem tabus", defendeu ainda.

Para Sampaio da Nóvoa, o "país está dividido, mas tem estado também desligado, divorciado" e "a distância face ao poder mina a confiança nas instituições", Governo, Assembleia da República e Presidente da República.

"Porém, as últimas semanas, trouxeram-nos uma boa notícia. E a boa notícia é que, no meio de uma agressividade desnecessária, houve um regresso da política. Foi bom - é bom - ouvir os portugueses discutirem a Constituição, darem a sua opinião sobre o que deveria, ou não, fazer o Presidente da República", considerou ainda.

O candidato a Belém assegura que não será nunca um Presidente de fação.

"Não contem comigo para isso. Não serei nunca um Presidente que age a favor de uma parte, de uma fação, tendenciosamente. Serei um Presidente independente, imparcial, capaz de promover a participação dos cidadãos, para que se liguem, de novo, à vida política", assegurou.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.