sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

BE leva emprego para o debate no Parlamento, Costa promete combater precariedade

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, perguntou hoje ao primeiro-ministro o que podem os cidadãos, em concreto os jovens, esperar do Governo em matéria de emprego, com António Costa a prometer o combate à precariedade.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

"O que pode esperar do novo governo quem está agora a terminar os seus estudos e quer trabalhar?", interrogou Catarina Martins, no parlamento.

Na resposta, António Costa advogou que a "dignidade do trabalho é uma questão também de cidadania", garantindo um efetivo combate à precariedade e aos contratos a prazo - que devem funcionar como primeiro passo para contratos efetivos, o que, diz, não sucede -, nomeadamente com o reforço da Autoridade para as Condições de Trabalho.

O primeiro-ministro falava na discussão do programa do XXI Governo Constitucional, que começou esta tarde a ser abordado no parlamento, num debate que se estende até quinta-feira por mais de nove horas, e que terminará com o chumbo da moção de rejeição da direita.

"Uma das prioridades estabelecidas foi o do melhor emprego, uma condição essencial mas também para um melhor crescimento da economia", reforçou ainda o também secretário-geral do PS, lembrando que nos últimos tempos falou através do Skype, ferramenta da Internet, com "várias dezenas de jovens que emigraram nos últimos anos" e lhe apresentaram a sua visão do mercado laboral em Portugal.

E acrescentou: "O maior défice estrutural que o país tem é o défice de qualificações. E esse défice foi pela primeira vez diminuído com esta nova geração. O país pela primeira vez começou-se a aproximar dos níveis médios de qualificação da União Europeia", embora com muitos quadros a abandonar depois o país para emigrarem na procura de emprego.

Para a bloquista Catarina Martins, debater o programa do Governo é também analisar a diferença entre este texto e o outro, recente, do anterior executivo PSD/CDS-PP que foi rejeitado no parlamento.

Descongelamento de pensões, reposição de salários, o desbloquear da contratação coletiva ou o aumento do salário mínimo são diferenças que o programa do PS apresenta, e "é normal que a direita apresente uma moção de rejeição" ao documento porque tal programa "ofende" PSD e CDS-PP, analisa Catarina Martins.

"Apresentem pois a moção de rejeição, nós cá estaremos para a chumbar", sustentou, perante aplausos das bancadas à esquerda.

E prosseguiu: "A direita foge do debate sobre a realidade porque teria muitas explicações para dar".

A discussão do Programa do XXI Governo Constitucional decorre 59 dias após as eleições legislativas de 4 de outubro, após o executivo socialista liderado por António Costa ter tomado posse na passada quinta-feira.

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.