sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

BE leva emprego para o debate no Parlamento, Costa promete combater precariedade

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, perguntou hoje ao primeiro-ministro o que podem os cidadãos, em concreto os jovens, esperar do Governo em matéria de emprego, com António Costa a prometer o combate à precariedade.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

"O que pode esperar do novo governo quem está agora a terminar os seus estudos e quer trabalhar?", interrogou Catarina Martins, no parlamento.

Na resposta, António Costa advogou que a "dignidade do trabalho é uma questão também de cidadania", garantindo um efetivo combate à precariedade e aos contratos a prazo - que devem funcionar como primeiro passo para contratos efetivos, o que, diz, não sucede -, nomeadamente com o reforço da Autoridade para as Condições de Trabalho.

O primeiro-ministro falava na discussão do programa do XXI Governo Constitucional, que começou esta tarde a ser abordado no parlamento, num debate que se estende até quinta-feira por mais de nove horas, e que terminará com o chumbo da moção de rejeição da direita.

"Uma das prioridades estabelecidas foi o do melhor emprego, uma condição essencial mas também para um melhor crescimento da economia", reforçou ainda o também secretário-geral do PS, lembrando que nos últimos tempos falou através do Skype, ferramenta da Internet, com "várias dezenas de jovens que emigraram nos últimos anos" e lhe apresentaram a sua visão do mercado laboral em Portugal.

E acrescentou: "O maior défice estrutural que o país tem é o défice de qualificações. E esse défice foi pela primeira vez diminuído com esta nova geração. O país pela primeira vez começou-se a aproximar dos níveis médios de qualificação da União Europeia", embora com muitos quadros a abandonar depois o país para emigrarem na procura de emprego.

Para a bloquista Catarina Martins, debater o programa do Governo é também analisar a diferença entre este texto e o outro, recente, do anterior executivo PSD/CDS-PP que foi rejeitado no parlamento.

Descongelamento de pensões, reposição de salários, o desbloquear da contratação coletiva ou o aumento do salário mínimo são diferenças que o programa do PS apresenta, e "é normal que a direita apresente uma moção de rejeição" ao documento porque tal programa "ofende" PSD e CDS-PP, analisa Catarina Martins.

"Apresentem pois a moção de rejeição, nós cá estaremos para a chumbar", sustentou, perante aplausos das bancadas à esquerda.

E prosseguiu: "A direita foge do debate sobre a realidade porque teria muitas explicações para dar".

A discussão do Programa do XXI Governo Constitucional decorre 59 dias após as eleições legislativas de 4 de outubro, após o executivo socialista liderado por António Costa ter tomado posse na passada quinta-feira.

Lusa

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.