sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

"Verdes" pedem fim da "política da mentira", Costa quer mais receita fiscal pela economia

A líder parlamentar do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) pediu hoje o fim da "política de mentira" de PSD/CDS-PP, com vista à realização da alternativa política acordada por PS, BE, PCP e PEV, no Parlamento.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

No primeiro de dois dias de debate sobre o programa do XXI Governo Constitucional, o chefe do executivo socialista, António Costa, afirmou que o elenco que lidera não quer "aumentar a receita fiscal por via do aumento da carga fiscal, mas por via do aumento do rendimento, do número de contribuintes e, assim, ter finanças públicas consolidadas de modo mais saudável".

"Para trabalhar para essa mudança há uma primeira coisa a fazer: uma política de verdade. Acabou a política da mentira e da ilusão, não pode continuar mais!", exigiu Heloísa Apolónia, citando a emigração, a pobreza ou a suposta devolução da sobretaxa de IRS e o crescimento económico como assuntos em que os governos de Passos Coelho e Paulo Portas mentiram.

A deputada ecologista sugeriu que PSD e CDS-PP "sabem que o Governo [do PS] tem legitimidade política" e que insistem no argumento contrário porque "aquilo que não querem é que se prove é que pode existir em Portugal uma política diferente daquela que eles fizeram, é o pavor que têm".

"PSD e CDS procuraram criar um modelo onde, para se sustentar, era fundamental que uma faixa determinada da população caísse e se mantivesse na pobreza, se habituasse a esse nível, um modelo de serviço ao grande poder económico e financeiro", condenou Heloísa Apolónia, pedindo exemplos de políticas a Costa para "combater a pobreza" e "inverter ciclo de empobrecimento das pessoas e do país"

O primeiro-ministro afirmou que "a direita começou por confundir aritmética com economia" e "achou que, se cortasse na despesa, diminuía seguramente o défice, desconhecendo que o efeito de ir além da 'troika' em 2012 ou aumentando os impostos, aumentaria a receita".

"Aquilo que teve foi um enorme efeito recessivo na economia, que agravou o défice e o endividamento do país", continuou Costa, defendendo que "mudar o paradigma de desenvolvimento não é ficarmos todos tão pobres que não podemos comprar nada, nem aquilo que é importado nem aquilo que é produzido nacionalmente".

Segundo o líder do Governo, "o modelo que a direita tinha dito que funcionou não resultou" e há que "virar a página dessa política".

"Quando perguntam como se paga, paga-se precisamente se tivermos uma economia a funcionar, com mais condições para aumentar a receita e diminuir a despesa", pois, previsivelmente, haverá "menos desempregados, mais pessoas a trabalhar", desenvolveu Costa.

O chefe do executivo socialista elogiou ainda o facto de PS, BE, PCP e PEV terem conseguido "transformar uma maioria eleitoral expressa pelos portugueses nas eleições numa maioria que suporta um governo", face a uma coligação PSD/CDS-PP que acreditou que poderia "estar hoje a governar contra a vontade da maioria dos portugueses".

António Costa, também em resposta direta à parlamentar ecologista, considerou a ferrovia e transporte público em geral como "essenciais", até "por questões ambientais", salientando a opção de colocar os transportes públicos urbanos na tutela do Ambiente em vez da do Planeamento e Infraestruturas, com vista a promover uma maior "eficiência energética", "qualidade do ambiente" e "combate às alterações climáticas".

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47