sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Debate do Programa do Governo termina hoje com chumbo de moção de rejeição

Aqui às 10:00

A Assembleia da República conclui hoje a discussão do Programa do XXI Governo Constitucional, que terminará com o chumbo pelas bancadas de esquerda da anunciada moção de rejeição apresentada pelo PSD e pelo CDS-PP. Para seguir em direto na SIC Notícias e aqui, a partir das 10:00.

MIGUEL A. LOPES

Menos de um mês depois do debate do programa do XX Governo, apoiado pela coligação PSD/CDS-PP, -- que foi derrubado a 10 de novembro pela aprovação de uma moção de rejeição do PS, com o apoio da restante oposição -, o parlamento retoma hoje às 10:00 o debate iniciado quarta-feira, e que só deverá terminar durante a tarde de hoje.

Para o segundo dia restam perto de três horas de debate, a que se somam o encerramento da discussão do Programa do Governo para o qual estão reservados mais 100 minutos.

Pelo executivo socialista, intervirá hoje o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, e o encerramento do debate deverá ficar a cargo do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Os líderes do PSD e CDS-PP, Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, respetivamente ex-primeiro e ex-vice-primeiro-ministro, não intervieram no primeiro dia de debate, devendo fazê-lo hoje.

Na abertura do debate, na quarta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou para a próxima semana uma reunião da Concertação Social para discutir o aumento progressivo do salário mínimo nacional até atingir 600 euros no final da legislatura.

António Costa anunciou ainda que alargará o 'Simplex' ao setor da Justiça e que dará "pleno vapor" aos incentivos ao investimento empresarial, propondo-se pagar cem milhões de euros de fundos europeus nos primeiros cem dias de funções.

Ao longo do debate, o primeiro-ministro deixou outros anúncios e garantias: comprometeu-se a não aumentar despesa nem diminuir receita até ao fim do ano, dizendo que é do "estrito interesse nacional" que Portugal possa sair do procedimento por défice excessivo (para isso o défice tem de ficar abaixo dos 3%); assegurou que será possível desfazer, sem custos, a concessão dos transportes públicos de Lisboa e do Porto porque os contratos não foram visados pelo Tribunal de Contas; e anunciou que o Governo vai suspender em breve a atual lei da requalificação na Administração Pública.

A primeira intervenção do PSD no debate coube ao líder parlamentar, Luís Montenegro, que desafiou António Costa a apresentar uma moção de confiança para demonstrar a estabilidade da sua solução governativa, mas o primeiro-ministro respondeu que o Governo do PS já se apresenta confiante.

Luis Montenegro justificou ainda a apresentação da moção de rejeição em conjunto com o CDS-PP, dizendo que constitui a expressão da "genuína vontade popular" manifestada nas legislativas, contra um programa de Governo apresentado pelos "derrotados unidos".

Pelo contrário, o líder parlamentar socialista, Carlos César, teceu elogios ao primeiro-ministro e ao seu "sentido de responsabilidade", garantiu que António Costa tem o apoio do PS e vaticinou que em breve terá também o apoio de "Portugal inteiro".

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, aproveitou a sua primeira intervenção para questionar o primeiro-ministro sobre emprego, em particular para os jovens, com António Costa a prometer o combate à precariedade.

Já o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, preferiu atacar a oposição PSD/CDS-PP, que acusou de se dedicar à "guerrilha política", e alertou para eventuais "surpresas desagradáveis" deixadas pelos executivos anteriores, uma linha também seguida pelo PEV.

Em resposta ao PAN, António Costa defendeu que devem ser os municípios a decidir, autonomamente, pelo fim das touradas ou de outros espetáculos que envolvam animais, discordando da fixação de uma regra nacional para este assunto.

No primeiro dia do debate, falou o ministro das Finanças, Mário Centeno, que assegurou que a posição do Governo perante o Novo Banco é de "proteção sem limites do interesse dos contribuintes e do Estado" e se compromteu a entregar o Orçamento do Estado para 2016 "o mais depressa possível", mas sem avançar datas.

Com Lusa

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.