sicnot

Perfil

Manoel de Oliveira

Manoel de Oliveira

Manoel de Oliveira

Estreia hoje o filme que Manoel de Oliveira fez para ser visto a título póstumo

Um mês depois da morte do realizador Manoel de Oliveira, estreia-se hoje no Porto o documentário biográfico inédito "Visita ou memórias e confissões", rodado em 1982 para ser mostrado apenas a título póstumo. 

© Tobias Schwarz / Reuters

A exibição, em duas sessões de entrada livre, acontecerá no Teatro Municipal do Rivoli. Na terça-feira, o filme será exibido na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, e no final do mês estreará no festival de Cannes, em França.

O realizador tinha depositado uma cópia na Cinemateca Portuguesa, deixando estipulado que o filme só deveria ter exibição pública após a sua morte.

"O cinema é a minha paixão e sempre tudo sacrifiquei à possibilidade de poder fazer os meus filmes", afirma Manoel de Oliveira nos primeiros minutos deste filme, que rodou em 1981, quando tinha 73 anos, na casa onde viveu, no Porto, durante mais de quarenta anos.

Aquela casa é o cenário e o mote para o documentário, que conta com diálogos escritos por Agustina Bessa-Luís, ditos por Diogo Dória e Teresa Madruga. Os atores dão voz a um casal que deambula pela habitação e que nunca se cruza com Manoel de Oliveira.

O realizador fez este documentário quando estava a planificar "Non ou a vã glória de mandar". Depois desse, ainda fez mais de vinte filmes, entre os quais "A divina Comédia", "Vale Abraão" e "O convento".

Durante pouco mais de uma hora, Oliveira fala sobre os seus antepassados, aborda a relação com a morte e com o sofrimento, explica o fascínio pelas mulheres e recorda os dias que passou na prisão depois de ter sido detido e interrogado pela PIDE, nos anos 1960.

O filme é dedicado à mulher, Maria Isabel, "a realidade sem subterfúgios", que aparece por breves minutos a apanhar flores e a falar sobre a relação com o realizador.

Manoel de Oliveira morreu a 02 de abril, no Porto, aos 106 anos.


Lusa
  • A vida de Manoel de Oliveira

    Infografias

    Desde criança que Manoel de Oliveira sentiu enorme fascínio pelo cinema. O pai levava-o em miúdo a assistir às primeiras obras da sétima arte. A sua vida é pontuada por períodos de paragem na produção cinematográfica, nas décadas de 1940 e 1950 foram muitos os projetos que ficaram na gaveta. Contou com a ajuda da família para manter a chama acesa e continuar a produzir os seus filmes até, mais tarde, ter o reconhecimento que lhe permitiu uma atividade regular. Mas da sua vida fazem parte outras paixões, como a do desporto, que o tornou popular durante a sua juventude. Momentos que marcam a vida do realizador mais velho do Mundo.

  • Longas-metragens

    Infografias

    Manoel de Oliveira realizou mais de três dezenas de longas-metragens. Um dos filmes, rodado em 1982, só poderá ser mostrado publicamente após a sua morte. Visitas ou Memórias e Confissões foi feito quando o cineasta tinha 74 anos, numa altura em que se pensava que a sua carreira não demoraria muito a terminar. Afinal após essa data a sua produção tornou-se mais regular e intensa.

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.