sicnot

Perfil

Manoel de Oliveira

Manoel de Oliveira

Manoel de Oliveira

Estreia hoje o filme que Manoel de Oliveira fez para ser visto a título póstumo

Um mês depois da morte do realizador Manoel de Oliveira, estreia-se hoje no Porto o documentário biográfico inédito "Visita ou memórias e confissões", rodado em 1982 para ser mostrado apenas a título póstumo. 

© Tobias Schwarz / Reuters

A exibição, em duas sessões de entrada livre, acontecerá no Teatro Municipal do Rivoli. Na terça-feira, o filme será exibido na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, e no final do mês estreará no festival de Cannes, em França.

O realizador tinha depositado uma cópia na Cinemateca Portuguesa, deixando estipulado que o filme só deveria ter exibição pública após a sua morte.

"O cinema é a minha paixão e sempre tudo sacrifiquei à possibilidade de poder fazer os meus filmes", afirma Manoel de Oliveira nos primeiros minutos deste filme, que rodou em 1981, quando tinha 73 anos, na casa onde viveu, no Porto, durante mais de quarenta anos.

Aquela casa é o cenário e o mote para o documentário, que conta com diálogos escritos por Agustina Bessa-Luís, ditos por Diogo Dória e Teresa Madruga. Os atores dão voz a um casal que deambula pela habitação e que nunca se cruza com Manoel de Oliveira.

O realizador fez este documentário quando estava a planificar "Non ou a vã glória de mandar". Depois desse, ainda fez mais de vinte filmes, entre os quais "A divina Comédia", "Vale Abraão" e "O convento".

Durante pouco mais de uma hora, Oliveira fala sobre os seus antepassados, aborda a relação com a morte e com o sofrimento, explica o fascínio pelas mulheres e recorda os dias que passou na prisão depois de ter sido detido e interrogado pela PIDE, nos anos 1960.

O filme é dedicado à mulher, Maria Isabel, "a realidade sem subterfúgios", que aparece por breves minutos a apanhar flores e a falar sobre a relação com o realizador.

Manoel de Oliveira morreu a 02 de abril, no Porto, aos 106 anos.


Lusa
  • A vida de Manoel de Oliveira

    Infografias

    Desde criança que Manoel de Oliveira sentiu enorme fascínio pelo cinema. O pai levava-o em miúdo a assistir às primeiras obras da sétima arte. A sua vida é pontuada por períodos de paragem na produção cinematográfica, nas décadas de 1940 e 1950 foram muitos os projetos que ficaram na gaveta. Contou com a ajuda da família para manter a chama acesa e continuar a produzir os seus filmes até, mais tarde, ter o reconhecimento que lhe permitiu uma atividade regular. Mas da sua vida fazem parte outras paixões, como a do desporto, que o tornou popular durante a sua juventude. Momentos que marcam a vida do realizador mais velho do Mundo.

  • Longas-metragens

    Infografias

    Manoel de Oliveira realizou mais de três dezenas de longas-metragens. Um dos filmes, rodado em 1982, só poderá ser mostrado publicamente após a sua morte. Visitas ou Memórias e Confissões foi feito quando o cineasta tinha 74 anos, numa altura em que se pensava que a sua carreira não demoraria muito a terminar. Afinal após essa data a sua produção tornou-se mais regular e intensa.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.