sicnot

Perfil

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Ferro Rodrigues espera independência do "Presidente certo no momento certo"

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, considerou hoje que Marcelo Rebelo de Sousa é "o presidente certo no momento certo" e que dele se espera autonomia e "independência na ação".

ANT\303\223NIO COTRIM

"O Presidente certo no momento certo será sempre um Presidente que se enquadra, com autonomia e afirmação, num novo ciclo da vida política democrática", afirmou Ferro Rodrigues, no seu discurso na cerimónia de posse de Marcelo Rebelo de Sousa.

Considerando que as primeiras palavras e os primeiros gestos de Marcelo Rebelo de Sousa após ser eleito foram "um bom prenúncio", Ferro Rodrigues defendeu que o novo chefe do Estado "pode tornar-se no promotor das convergências estratégicas de que Portugal tanto necessita".

A "responsabilidade histórica" de ser "o homem certo no momento certo" é também uma oportunidade para "contribuir para a resposta nacional aos problemas estruturais" do país, considerou Ferro Rodrigues.

"Em democracia são normais e desejáveis as divergências ideológicas e as políticas alternativas. Mas é justamente porque conhecemos as diferenças políticas que devemos ser capazes de as distinguir daquilo que é estratégico e que nos deve unir", defendeu.

Para o presidente da Assembleia, "um Presidente da República que saiba comunicar com o país é um Presidente que vai saber comunicar com todos os órgãos de soberania, com todos os partidos políticos e com todos os parceiros sociais".

"Com todos, por igual", acentuou.

Para Ferro Rodrigues, o "Presidente da República, Parlamento, Governo, deverão unir-se estrategicamente na luta por uma Europa de valores, de convergências e de coesão", num tempo em que "todos estão convocados para encontrar soluções de governação e em que já ninguém está unicamente remetido ao papel do protesto".

Um tempo, acrescentou, que "inclui mas não se reduz ao confronto esquerda versus direita, próprio das alternativas de política económica e social, mas que acolhe combinações diferentes em questões diferentes".

Esta nova realidade, defendeu, "exige uma nova cultura de responsabilidade e uma nova atitude de disponibilidade" em primeiro lugar de quem governa e de quem suporta a governação" mas também "a disponibilidade das oposições para a lealdade institucional e para o diálogo estratégico próprio dos democratas".

Sobre a relação entre os órgãos de soberania, Ferro Rodrigues disse ainda que a "ação do Presidente da República não se resume à cooperação" com o Governo e a Assembleia "mas também não se consolida sem ela".

"Do Presidente de todos os portugueses esperamos visão estratégica e independência na ação", disse.

E, sobre o sentido do mandato presidencial, Ferro Rodrigues invocou ainda o primeiro Presidente da primeira República, Manuel de Arriaga, quando citou as suas palavras: "`o Presidente da República tem de pairar sobre tudo, intangível às paixões partidárias, aos interesses das clientelas políticas; tem de ter uma só aspiração: o bem do País´".

"Lealdade institucional, adesão sem reservas aos valores democráticos e diálogo estratégico - é isso que os portugueses esperam de todos: Presidente, Governo e Assembleia da República", disse.

No seu discurso, Ferro Rodrigues deixou uma "saudação especial" a Aníbal Cavaco Silva pelo "espírito de serviço público que uma vez mais demonstrou, agora no exercício do cargo de Presidente da República", uma saudação aplaudida nas galerias de convidados e pelas bancadas do PSD e do CDS-PP.

Sobre a Europa, que foi "durante muitos anos um fator de estabilidade", Ferro Rodrigues apontou a necessidade de, independentemente das famílias políticas, não se transformar "num fator de instabilidade política e de fragilização democrática", numa altura em que "muitos europeus começam a interrogar-se".

"Que Europa é esta, rigorosa como lhe compete quanto ao cumprimento das regras orçamentais, mas tão complacente quando, por exemplo, estão em causa princípios fundamentais como a liberdade de imprensa, o direito de asilo, a livre circulação de trabalhadores ou a não-discriminação em função da nacionalidade? ", questionou.

O aquecimento global, o envelhecimento demográfico, a crise dos refugiados e das migrações, a liberdade de circulação e da igualdade de direitos, a sustentabilidade das dívidas e da arquitetura da zona euro, do terrorismo global e das ameaças à segurança nas fronteiras europeias foram os principais desafios apontados pelo presidente da Assembleia da República.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria" é a Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.