sicnot

Perfil

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Ramalho Eanes diz que Marcelo pode contar com a sua "colaboração e lealdade"

O antigo Presidente da República António Ramalho Eanes, afirmou hoje que Marcelo Rebelo de Sousa pode contar com a sua "colaboração e lealdade", mostrando-se convicto que o atual chefe de Estado irá ajudar Portugal a ser mais feliz.

"O senhor Presidente eleito a partir de hoje é o meu Presidente, pode contar com toda a minha colaboração e lealdade, e desejo-lhe as melhores felicidades pessoais", afirmou o antigo chefe de Estado à saída do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

Interpelado pelos jornalistas à saída do local onde decorreu a cerimónia de condecoração com o Grande Colar da Ordem da Liberdade do Presidente cessante, Cavaco Silva, pelo chefe de Estado hoje empossado, Marcelo Rebelo de Sousa, Ramalho Eanes começou por afirmar que "por princípio estabelecido há já muito tempo" escusa-se a "fazer observações, comentários, sobre cerimónias, sobre os discursos, sobre a ação dos Presidentes" que o sucederam.

Apesar disso, o antigo Presidente da República disse estar "convencido que [...] ele vai ajudar o país a ser mais feliz e os portugueses a serem mais prósperos".

Eleito a 24 de janeiro com 52% dos votos, Marcelo Rebelo de Sousa, 67 anos, tomou hoje posse como Presidente da República, pelas 10:10, depois de jurar cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa.

No seu primeiro discurso, o novo chefe de Estado prometeu ser o Presidente de "todos sem exceção", do princípio ao fim do mandato, sem querer ser mais do que a Constituição permite ou aceitar menos do que a Lei Fundamental impõe.

Marcelo reconheceu que Portugal tem pela frente "tempos e desafios difíceis", considerando que é necessário sair do clima de crise e ir mais longe na qualidade da educação, saúde, justiça e do próprio sistema político.

Lusa

  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12
  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42

    Mundo

    Depois da crise dos telemóveis Samsung Note 7 com bateria defeituosa que podia explodir, a marca tinha que lançar um aparelho inovador. O S8 foi anunciado esta quarta-feira em Londres. O repórter da SIC, Lourenço Medeiros, foi ver como é.

    Enviado SIC