sicnot

Perfil

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

No segundo dia como Presidente, Marcelo recebe corpo dimplomático e Costa

O segundo dia das cerimónias da posse de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente da República vai ser marcado pela apresentação de cumprimentos pelo corpo diplomático e por um encontro com o primeiro-ministro, António Costa.

O primeiro-ministro, António Costa, saúda Marcelo Rebelo de Sousa

O primeiro-ministro, António Costa, saúda Marcelo Rebelo de Sousa

TIAGO PETINGA

A cerimónia de apresentação de cumprimentos dos embaixadores e chefes de missão inicia-se às 15:30 no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, e pelas 16:00 haverá uma intervenção do Núncio Apostólico, Rino Passigato, e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sala dos Embaixadores.

O Presidente da República recebe depois, pelas 18:00, o primeiro-ministro naquela que será a primeira audiência semanal com António Costa.

Eleito a 24 de janeiro com 52% dos votos, Marcelo Rebelo de Sousa, 67 anos, tomou posse na quarta-feira como Presidente da República depois de jurar cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa.

Lançando alguns reptos que reconheceu serem "difíceis, complexos" e "envoltos em incógnitas", o Presidente da República defendeu a necessidade de sair do clima de crise e do país ir "mais longe com realismo mas visão de futuro".

No plano externo, salientou que Portugal tem de ser fiel aos seus compromissos, em especial com instituições como a União Europeia, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a NATO (sigla em inglês da Organização do Tratado do Atlântico Norte), mas "nunca perdendo a perceção de que, também quanto a elas, há sinais de apelo a reflexões de substância, de forma, ou de espírito solidário".

"Os desafios dos refugiados na Europa, da não discriminação económica e financeira na CPLP e das fronteiras da Aliança Atlântica, são apenas três exemplos, de entre muitos, de questões prementes relevantes, mesmo se incómodas", afirmou.

As cerimónias da posse de Marcelo Rebelo de Sousa terminam na sexta-feira com uma visita do Presidente da República à cidade do Porto.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.