sicnot

Perfil

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo sucede a Cavaco

Marcelo afirma que não vai ser um fator de instabilidade política

O Presidente da República afirmou hoje que "não será um fator de instabilidade" na relação com um governo minoritário do PS, apoiado pelo BE e PCP, e disse esperar não ter de dissolver o parlamento.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Em entrevista hoje ao jornal espanhol ABC, na véspera de uma visita oficial a Madrid, Marcelo Rebelo de Sousa enumerou as suas prioridades para o mandato como Chefe de Estado, afirmando que "do ponto de vista interno" quer "criar as condições que garantam a estabilidade política", para que "não haja mais crise e que não se agrave a situação social".

"Em segundo lugar, estabelecer um consenso entre os partidos e os agentes sociais, porque a crise pela qual passámos produziu uma menor coesão social, um aumento do desemprego e mais imigração", criando "maior tensão social", explicou o presidente.

Questionado se vai agir como uma espécie de "árbitro" entre os partidos e face ao Governo, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu afirmativamente, mas realçou que os poderes do Presidente da República vão além desse papel.

"Sim. Estou aqui para pacificar e desdramatizar a sociedade portuguesa, para uni-la. Quero que o povo se aproxime dos seus políticos, que seja capaz de vencer a sua desconfiança face a eles. Porque há desconfiança e suspeita. (...) Mas o Presidente não é apenas um árbitro para garantir a normalidade, também tem outros poderes. (...) Em tempos de forte crise política pode decidir a dissolução do parlamento. Espero não ter de fazer uso desse poder, naturalmente", ressalvou o Presidente.

Quanto à coabitação com o Governo de esquerda de António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa afasta problemas de relacionamento com os socialistas.

"Não creio que existam problemas de relacionamento com os socialistas. É certo que se trata de um governo em minoria política apoiado no parlamento, mas isso é algo que se assume com total naturalidade noutros países", realçou.

Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o seu papel na gestão da convivência com o Governo será "mais interessante", pelo facto de o executivo ser apoiado por partidos à esquerda do PS.

"Não sei se será mais difícil, mas desde logo será mais interessante. Garanto-lhe que o Presidente não será um fator de instabilidade neste país. Pelo contrário. A minha missão passa por aprovar quantas mais leis melhor, não vetá-las", salientou.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou a importância da aprovação hoje do Orçamento do Estado para 2016 no parlamento, que classificou como "uma votação muito importante para o país".

"A partir daqui interpreto que caminhamos para uma progressiva estabilidade política", disse o Presidente.

Sobre as relações de Portugal com Espanha, o Presidente afirmou que são tão boas que "quase não se podem melhorar", mas deixou algumas propostas para avançar também nesse sentido.

"Gostaria que existissem mais relacionamento cultural, mais solidariedade entre universidades [de Portugal e Espanha], mais cooperação no mundo económico, especialmente no setor financeiro", sublinhou.

Para Marcelo, Espanha sempre teve e terá uma posição muito forte nesse campo, "mas que não pode ser exclusiva". "Sei que Espanha o compreende muito bem", declarou.

Marcelo Rebelo de Sousa aterra em Madrid na quinta-feira (vindo do Vaticano) para uma visita oficial a Espanha, durante a qual estará presente num jantar oficial oferecido pelo Rei Felipe VI, no Palácio da Zarzuela.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59