sicnot

Perfil

Maria Barroso 1925-2015

Maria Barroso 1925-2015

Maria Barroso

Sampaio da Nóvoa evoca "figura maior do Portugal da liberdade"

O candidato à Presidência da República Sampaio da Nóvoa evocou Maria de Jesus Barroso, hoje falecida, como "uma figura maior do Portugal da liberdade, da cultura e da consciência social".

ANTONIO COTRIM/LUSA

"A Dr.ª Maria de Jesus Barroso é uma figura maior do Portugal da liberdade, da cultura e da consciência social. A sua coragem, sempre presente, é um exemplo para todos nós", afirmou António Sampaio da Nóvoa, em comunicado.

O candidato presidencial e antigo reitor da Universidade de Lisboa disse partilhar "o silêncio e a dor com a sua família e amigos".

"Não há nada que possa substituir a presença, mas a memória da Dr.ª Maria de Jesus Barroso prolonga-se muito para além do seu tempo e deixa-nos uma história que temos a obrigação de continuar", afirmou Sampaio da Nóvoa.

Maria Barroso, presidente da Fundação Pro Dignitate, fundadora do PS e mulher do ex-Presidente da República Mário Soares, tinha 90 anos e estava internada, em estado grave, desde 26 de junho, na sequência de uma queda, que lhe provocou um traumatismo intracraniano.

O corpo de Maria Barroso Soares vai estar em câmara ardente no Colégio Moderno, em Lisboa, a partir das 18:00 de hoje, realizando-se o funeral na quarta-feira para o Cemitério dos Prazeres, anunciou a família.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a família informa que o funeral seguirá para o Cemitério dos Prazeres após a missa de corpo presente, que terá lugar às 10:00 na Igreja do Campo Grande.

Lusa

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.