sicnot

Perfil

Mário Soares 1924-2017

Soares, primeiro-ministro

Soares, primeiro-ministro

Não foram fáceis os tempos em que Mário Soares presidiu aos governos da jovem democracia. Eleito chefe do Executivo do I Governo Constitucional, sê-lo-ia também do II e do IX. Os pedidos de ajuda ao FMI e a entrada de Portugal na CEE marcaram a ação governativa do histórico socialista.

25 de Abril de 1976. O Partido Socialista vence as eleições legislativas com perto de 35% dos votos. Com este resultado, Mário Soares, secretário-geral do partido desde 73, é indigitado para o cargo de primeiro-ministro, tornando-se assim o chefe do I Governo Constitucional. Sê-lo-á de 23 de julho de 1976 a 23 de janeiro de 1978.

O período é, no mínimo, conturbado, os primeiros passos da jovem democracia são dificultados pela conjuntura internacional - nomeadamente os efeitos do choque petrolífero - que se reflecte e inflaciona os problemas conjunturais e estruturais do novel Portugal democrático. A economia é o espelho do país: as receitas diminuem consideravelmente no turismo, nas remessas enviadas pelos emigrantes, numa balança de transações claramente deficitária. Como se tal não bastasse, a independência das ex-colónias ultramarinas traz de volta milhares de portugueses que aí residiam; o país não está preparado para o acolhimento e o nível de desemprego dispara a par de uma inflação na casa dos 27%.

Quer tudo isto dizer que se tornava evidente a inevitabilidade de auxílio financeiro internacional. Coube ao governo liderado por Mário Soares encetar, em 1977, o processo negocial com o Fundo Monetário Internacional para acudir às necessidades de tesouraria de um país no limiar de não ter margem financeira para sobreviver. A ajuda externa cumpre-se no ano de 78. Desvalorização cambial e redução de salários foram as consequências imediatas das contrapartidas para tentar reabilitar a débil economia lusitana. A austeridade e um apertado controle orçamental tornaram-se regras imprescindíveis ao saneamento financeiro do país.

O governo de Mário Soares procurou, à época, equilibrar o esforço exigido a Portugal com medidas de âmbito mais social. Nesse sentido, o I Governo Constitucional ficará igualmente marcado, entre outros, pelo projecto que haveria de dar origem ao Serviço Nacional de Saúde, cujo mentor é o socialista António Arnaut. É também durante este período que Mário Soares formaliza, em março de 1977, o pedido de adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia.

Reflexo da situação política e social, o executivo socialista vê dificultada a sua acção pela posição minoritária no Parlamento. O I Governo Constitucional cessa funções aos 23 dias de Janeiro de 1978 na sequência da rejeição, pela Assembleia da República, de uma moção de confiança que recebe os votos contra de toda a oposição. Mário Soares voltaria a chefiar um Governo - o II Constitucional - sete dias depois.

Ramalho Eanes, o primeiro Presidente da República eleito por sufrágio direto e universal, pede ao líder do PS que forme um novo executivo. Quis desta forma o Chefe do Estado evitar os "elevados custos políticos, sociais, económicos e financeiros" de "eleições antecipadas".

É assim que, a 30 de janeiro de 1978, Mário Soares lidera um governo que beneficia de um acordo de incidência parlamentar com o CDS de Freitas do Amaral. Só que o Governo está condicionado por uma acção presidencial mais interventiva, traduzida no polémico discurso que Ramalho Eanes profere a 25 de Abril de 1978. Nele refere que ao Presidente da República "importa menos quem governa e mais como se governa", na sequência de uma série de críticas feitas à acção governativa. Mário Soares acabaria exonerado depois de o CDS ter retirado os seus ministros do elenco governativo.

Voltaria a ser primeiro-ministro cinco anos depois. Quis o destino que o IX Governo Constitucional, presidido por Mário Soares com o apoio do PSD de Mota Pinto, fosse obrigado a pedir nova intervenção do Fundo Monetário Internacional logo no seu início, em 1983. A insustentabilidade da dívida externa e um desemprego sem remissão ditaram o apoio financeiro e as demais consequências: cortes salariais e nos subsídios natalícios, além de um forte travão no investimento público contribuiram para a impopularidade de um governo que se manteve em funções até novembro 1985.

Em junho desse ano, o momento mais marcante teve lugar no Mosteiro dos Jerónimos, quando Mário Soares rubricou o Tratado de Adesão de Portugal à então chamada Comunidade Económica Europeia. Oito anos e um dia depois de o mesmo Mário Soares ter endereçado o pedido de entrada na Europa dos mais ricos, a assinatura consagrou em definitivo o lugar de Portugal como membro de pleno direito da CEE. Foi a última vez que Soares presidiu a um governo da República.

  • Soares, o Presidente
    4:07

    Mário Soares 1924-2017

    Mário Soares cumpriu dois mandatos como Presidente da República. A sua ascensão a Belém ficou marcada por um duro combate político com a direita. Já enquanto Chefe do Estado, protagonizou com Cavaco Silva alguns dos momentos mais vivos de luta política entre dois homens com personalidades muito distintas. Os dois mandatos na Presidência ficam para sempre marcados pelas Presidências Abertas: o político ficou ainda mais popular nos contactos mantidos junto do povo.

  • As derrotas de Mário Soares
    3:03

    Mário Soares 1924-2017

    Dono de um percurso político invejável, Mário Soares teve de enfrentar algumas derrotas no longo trajeto que o consagrou como figura de proa do Portugal livre. A mais evidente terá sido o terceiro lugar nas eleições presidenciais quando, já com 80 anos, tentou um terceiro mandato em Belém. Antes disso, o Parlamento Europeu já havia rejeitado o político veterano na corrida à liderança da câmara dos eurodeputados.

  • Soares, advogado e (animal) político
    2:37

    Mário Soares 1924-2017

    Mário Soares emergiu em pleno para o combate político ainda durante a sua juventude. Licenciado em Direito, o jovem Soares usou a sua formação académica em prol dos que lutavam contra o antigo regime. A luta valeu-lhe a perseguição política e uma vida feita de sobressaltos e exílio. Foi apoiante das candidaturas presidenciais de Norton de Matos e Humberto Delgado e foi conquistando estatuto dentro e fora de portas, culminando na fundação do Partido Socialista.

  • Soares e a fundação do PS
    2:35

    Mário Soares 1924-2017

    Mário Soares foi o primeiro secretário-geral do Partido Socialista. Fundada em 1973, a nova força partidária viria a dar cartas no Portugal de antes e pós-25 de Abril. Um ano antes da Revolução dos Cravos, e sob a égide de Soares, o PS foi dos principais contestatários da visita que Marcello Caetano efetuou a Londres. O líder recém-eleito esteve entre os manifestantes que protestaram frente à embaixada de Portugal na capital britânica.

  • O regresso de Soares a Portugal após o 25 de abril
    3:46

    Mário Soares 1924-2017

    Por força das circunstâncias, Mário Soares assistiu fora de Portugal ao Movimento dos Capitães de Abril. Três dias depois da revolução, regressou ao país novo, envolto num banho de multidão que o acolheu vindo de Paris. Era o início de um longo e inédito protagonismo no Portugal democrático.

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.