sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Atirador de Orlando terá jurado lealdade ao Daesh antes do assassínio

O autor do massacre de Orlando, na Florida, terá jurado lealdade ao Daesh numa chamada telefónica feita para o número de emergência 911 imediatamente antes do crime, noticiaram as televisões norte-americanas.

Phelan M. Ebenhack

Segundo a estação televisiva NBC, que cita fontes policiais, o atirador acusado do massacre de pelo menos 50 pessoas, na madrugada de hoje, num clube noturno gay de Orlando, telefonou alguns instantes antes do crime para o número 911 para anunciar a sua lealdade ao líder do Daesh.

A CNN avança a mesma notícia, citando um responsável norte-americano que explicou que "o FBI (polícia federal norte-americana) de imediato acreditou tratar-se de um ataque islamita por causa dessa chamada telefónica" e porque eram já conhecidas do FBI as suas "simpatias islamitas".

"Sabemos que ele tinha sido alvo de investigação no passado. Ele não estava no centro das investigações, mas era suspeito de ter ligações com radicais islâmicos e simpatias com a ideologia radical islâmica", precisou o responsável na CNN.

Horas antes, o pai do autor do massacre, Omar Mateen, identificado como um cidadão norte-americano de origem afegã com cerca de 20 anos, afirmara que o crime "não tem nada que ver com religião", mas possivelmente com o facto de o filho ter visto "dois homens a beijar-se em frente da sua mulher e do seu filho e ter ficado muito zangado".

"Não sabíamos de nada. Estamos chocados como todo o país", disse o pai, Mir Seddique, pedindo desculpas em nome da sua família pelo ato do filho, o mais grave assassínio em massa da história dos Estados Unidos.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.