sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Hillary diz que não se pode declarar guerra a toda a religião muçulmana

A potencial candidata presidencial do Partido Democrata dos Estados Unidos, Hillary Clinton, afirmou hoje que a resposta ao massacre de Orlando não pode ser o "partidarismo" e nem demonizar os muçulmanos, declarando guerra a uma religião.

© Gary Cameron / Reuters

"É hora de todos unirmos e recordar os que foram assassinados, apoiar a todos os que estão a sofrer e depois tratar de averiguar que mais podemos fazer", declarou a ex-secretária de Estado numa entrevista para a televisão NBC.

Na madrugada de domingo, Omar Mateen, de 29 anos, cidadão norte-americano de origem afegã, disparou sobre os clientes da casa noturna Pulse, voltada para o público LGBT, em Orlando, na Florida. Foi abatido posteriormente pela polícia depois de confrontar os agentes da autoridade.

O mais grave tiroteio em massa no país provocou, além das 49 vítimas, mais de 50 feridos e está a ser investigado pelo FBI como um ato terrorista. O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou hoje a autoria do tiroteio em Orlando, dizendo ter sido cometido por um "soldado do califado".

Segundo Hillary Clinton, "importa o que fazemos, não o dizemos (...) Para mim, jihadismo radical, islão radical, creio que significam o mesmo. Estou disposta a dizer alguma coisa aos dois", indicou.

A ex-secretária de Estado respondeu assim às críticas do virtual candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, que no domingo condenou tanto a sua provável rival nas eleições de novembro como o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por não usar a expressão "islão radical" ao referirem-se ao extremismo islâmico.

"Toda essa conversa, demagogia e retórica não vão resolver o problema. Eu não vou demonizar, ser demagoga e declarar guerra a toda uma religião", disse Hillary Clinton.

Num comunicado emitido no domingo pelo comité da sua campanha, enfatizou que o massacre de Orlando deve servir para recordar "uma vez mais que as armas de guerra não tem lugar" nas ruas e nem nas mãos de qualquer pessoa.

"Temos de tirar essas armas de guerra das ruas. Tivemos uma proibição sobre as armas de assalto e precisamos restabelecê-la", insistiu na entrevista a NBC.

Devido ao massacre, a candidata cancelou um ato político que iria realizar na cidade de Green Bay, no Wisconsin, na quarta-feira e que iria ser a sua primeira aparição de campanha junto a Obama.


Lusa

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.