sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Polícia revê para 49 o número de vítimas no massacre em Orlando

A polícia federal dos Estados Unidos (FBI) reviu hoje de 50 para 49 o número de vítimas no massacre em Orlando, explicando que o atirador foi contabilizado no balanço oficial das autoridades.

© Reuters Staff / Reuters


"Penso que foi incluído no balanço, num determinado momento, o atirador. Nós não incluímos o atirador como vítima", disse Paul Wysopal, o agente do FBI encarregado da investigação, numa conferência de imprensa.

O atirador foi morto pela polícia quando entrou em confronto com os agentes da autoridade.

Os órgãos de comunicação social dos EUA divulgaram que o presumível autor do tiroteio, identificado como Omar Mateen, de 29 anos, cidadão norte-americano de origem afegã, seria simpatizante do movimento terrorista Daesh.

O FBI admitiu que Omar Mateen, que nasceu em Nova Iorque, já tinha sido investigado, mas sem resultados, por eventuais ligações a um bombista suicida nos Estados Unidos.

O grupo extremista Daesh reivindicou hoje a autoria do tiroteio numa discoteca em Orlando, nos EUA, que provocou 49 vítimas, dizendo ter sido cometido por um "soldado do califado".

"Deus permitiu ao irmão Omar Mateen, um dos soldados do califado na América, realizar uma ghazwa (termo islâmico para designar um ataque) durante a qual conseguiu entrar num clube noturno de sodomitas na cidade de Orlando e matar e ferir mais de 100 deles", refere a informação transmitida pela sua rádio oficial.

O mais grave tiroteio em massa no país provocou, além das 49 vítimas, mais de 50 feridos e está a ser investigado pelo FBI como um ato terrorista.


Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".