sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Torre Eiffel iluminada para homenagear vítimas de Orlando

A Torre Eiffel, em Paris, vai hoje à noite ser iluminada com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade gay, lésbica e transgénero, para homenagear as vítimas do tiroteio em Orlando, em que morreram 50 pessoas.

© Jacky Naegelen / Reuters

Num primeiro momento, a presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo, anunciou que a iluminação seria feita com as cores dos Estados Unidos, no início de uma reunião camarária em que foi respeitado um minuto de silêncio em memória das vítimas do que é considerado o maior ataque terrorista na história dos Estados Unidos desde o 11 de setembro de 2001.

Anne Hidalgo expressou a sua "compaixão, solidariedade e afeto" ao povo americano e à comunidade gay, afetados pelo tiroteio, em Orlando, Flórida, nos Estados Unidos.

Hoje de manhã, Anne Hidalgo anunciou igualmente que vão ser colocadas bandeiras com as cores do arco-íris e dos Estados Unidos nos edifícios oficiais da câmara.

Pelo menos 50 pessoas morreram e 53 ficaram feridas na madrugada de sábado quando um homem entrou numa discoteca gay de Orlando, na Florida, e começou a disparar indiscriminadamente, antes de ser abatido pela polícia.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC