sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Mais de 200 pessoas em vigília em Lisboa pelas vítimas de ataque em Orlando

Mais de duas centenas de pessoas concentraram-se esta noite na Praça da Figueira, em Lisboa, numa vigília de solidariedade para com as vítimas do ataque a uma discoteca gay em Orlando, nos Estados Unidos da América (EUA).

MAST IRHAM

Na madrugada de domingo, um homem identificado como Omar Mateen, cidadão norte-americano de origem afegã, entrou na discoteca Pulse, em Orlando, na Florida, e abriu fogo contra os clientes, causando 49 mortos e 53 feridos.

Junto à estátua de D. João I, os participantes colocaram dezenas de velas acesas e colaram cartazes de apoio à comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero): "LGBT contra a islamofobia", "Se você acha que ser LGBT é pecado, você também puxou o gatilho", ou "Somos Orlando".

Algumas pessoas empunhavam a bandeira arco-íris, que simboliza a comunidade LGBT, enquanto um homem carregava a bandeira dos EUA às costas.

"Portugal está com a família e os amigos das vítimas [de Orlando], com a comunidade LGBT, com a comunidade latina, com a comunidade de Orlando e com qualquer outra pessoa que sofra de violência ou discriminação homofóbica", lê-se numa das mensagens em inglês.

Patrícia Vassalo e Silva e Lorena Oliveira são as organizadoras do evento, criado através das redes sociais, cuja ideia surgiu após a realização de uma vigília idêntica em São Paulo, Brasil.

"Não podemos perder a liberdade que temos e temos de lutar contra o medo", disse à agência Lusa Patrícia Vassalo e Silva.

Na opinião de Lorena Oliveira a tragédia de Orlando foi um ataque homofóbico e planeado.

"Não se pode incentivar a islamofobia, pois há homofóbicos em todas religiões a até nos ateus. Parte da sociedade ainda continua a ser homofóbica", lamenta a jovem brasileira.

À medida que os participantes iam chegando à Praça da Figueira, o número de velas acesas e as mensagens coladas na estátua de D. João I aumentavam.

"Parem o ódio" ou "Amo quem eu quiser, seja homem ou mulher", eram outras mensagens.

"Quarenta e dois anos após o 25 de abril ainda se nota essa discriminação e ódio. O ataque em Orlando não foi contra a América mas sim contra a comunidade LGBT. Mas nós, os gays, somos muito fortes e apelo a que figuras públicas assumam a sua orientação sexual e que a defendam publicamente", afirmou João Paulo Oliveira, um dos presentes na vigília.

Apesar da ameaça de chuva e do frio que se fazia sentir, os participantes ainda se mantinham concentrados pelas 22:15, uma hora e 15 minutos após a hora marcada.

"Achei por bem vir, pois os estrangeiros em Lisboa também estão com Orlando. É bom que as pessoas saiam à rua e mostrem a sua revolta", frisou Maelle Karl, de nacionalidade alemã.

O movimento extremista Estado Islâmico reclamou a iniciativa do tiroteio à discoteca em Orlando, dizendo numa informação transmitida pela rádio que foi realizado por "um dos soldados do califado".

O FBI está a investigar o caso como um ato de terrorismo.

O ataque foi considerado o pior nos Estados Unidos desde o 11 de setembro de 2001

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.