sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Obama defende que debate sobre armas "tem de mudar" numa visita a Orlando

O presidente norte-americano, Barack Obama, defendeu que o debate sobre o controlo de armas tem de mudar, no decorrer de uma visita às famílias das vítimas do atentado do passado domingo em Orlando.

© Carlos Barria / Reuters

Pouco depois de se reunir com as famílias das vítimas, Obama pediu aos membros do Congresso para se mostrarem "à altura" e votarem enquadramentos mais rigorosos para a venda de armas.

O presidente norte-americano afirmou que o debate sobre as armas de fogo nos Estados Unidos "tem de mudar".

Obama afirmou que os legisladores têm de "aprovar (legislação sobre) o controlo de armas", acrescentando que o tom do debate partidário necessita de mudar.

"Aqueles que defendem o acesso fácil às armas" devem reunir-se e conversar com as famílias das vítimas, sustentou.

Barack Obama prestou homenagem aos 49 mortos "inocentes", quatro dias depois do tiroteio numa discoteca homossexual de Orlando, evocando a dor "indescritível" das famílias.

"Estas famílias são parte da família americana (...) Os nossos corações também estão partidos", declarou Obama.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.