sicnot

Perfil

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Massacre em Orlando

Atirador de Orlando mostrou "tranquilidade assustadora" a falar com o FBI

O autor do massacre na discoteca de Orlando, Florida, afirmou ser um "soldado islâmico" e mostrou uma "tranquilidade assustadora" nas conversas com a polícia na noite do ataque, referiu hoje a polícia federal norte-americana (FBI).

Omar Mateen

Omar Mateen

ap

"Estou em Orlando e fui eu que disparei", afirmou Omar Mateen às 02:35 locais, reivindicando o ataque, que provocou 49 mortos, segundo a sequência dos eventos divulgados pelo FBI.

Omar Mateen manteve três conversas com um negociador da polícia. A última, com a duração de três minutos, ocorreu às 03:24 locais, segundo o FBI.

O assassino apresentou-se ao telefone como um "soldado islâmico" e disse ser leal ao líder do Daesh, Abu Bakr al-Baghdadi.

"O assassino fez as declarações de uma forma tranquila e assustadora", afirmou, em conferência de imprensa, o agente do FBI Ron Hooper.

Omar Mateen exigiu ao negociador do FBI que os Estados Unidos parassem de bombardear o Iraque e a Síria, sublinhando que existiam carros armadilhados que podiam explodir caso a polícia fizesse "algo estúpido".

Omar Mateen também disse que estava a utilizar um colete com explosivos como os "utilizados em França" e advertiu que nos próximo dias iriam ocorrer mais ataques.

Com Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.