sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2018

Confederação do Comércio quer redução de IRC e PEC

Confederação do Comércio quer redução de IRC e PEC

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) defendeu junto do Presidente da República a redução do IRC, tal como a CIP já o tinha hoje feito.No final da audiência em Belém, João Vieira Lopes disse que apresentou um conjunto de propostas para aliviar as dificuldades de capital das empresas.

"Temos um conjunto de propostas que levam a que tudo sejam Pagamentos Especiais por Conta ou outros pagamentos por conta que, na prática, são empréstimos forçados ao Estado, sejam fortemente diminuídos", disse o responsável aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa.

Falando depois de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o OE2018, João Vieira Lopes salientou que "as empresas têm dificuldades de capital e de tesouraria", pelo que este orçamento deve criar um panorama fiscal "mais favorável para agilizar o funcionamento" das companhias.

Outra das "três grandes preocupações" hoje apresentadas ao chefe de Estado refere-se ao Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC).

"Nós pensamos que deveria continuar o movimento de baixa do IRC, mesmo que a um ritmo mais simbólico do que já foi feito no passado", sustentou o presidente da CCP.

Em alternativa, sugeriu que o Governo encontre "fórmulas de atenuar esse tipo de pressão sobre as empresas, podendo ou não haver escalões, em particular tudo o que seja as chamadas tributações autónomas, que são aqueles custos das empresas que não são considerados e sobre os quais incide IRC".

João Vieira Lopes falou num "conjunto de procedimentos que existem de responsabilidades de execução de tarefas para o Fisco, por parte das empresas, assim como também algumas legislações excessivamente radicais quanto às responsabilidades dos gestores".

O responsável lamentou que "hoje em dia um gestor possa ver os seus bens apreendidos por questões que se passaram há dezenas de anos e sobre as quais não têm responsabilidade".

"Gostaríamos de simplificar um conjunto de procedimentos para que, hoje em dia, ser gerente de uma empresa, não seja uma profissão de alto risco", reforçou.

Marcelo Rebelo de Sousa começou hoje a receber os parceiros económicos e sociais sobre o Orçamento do Estado para 2018, depois de ter ouvido os sete partidos com assento parlamentar.

Com Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.