Orçamento do Estado 2019

Montenegro defende que seria "mais útil" PSD anunciar já voto contra o OE 2019

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro defendeu hoje que seria "mais útil" o PSD anunciar já o voto contra o próximo Orçamento do Estado, afirmando que "não lhe passa pela cabeça" que os sociais-democratas possam viabilizar esse documento.

Em declarações à Lusa e à revista Sábado, no final de um almoço-debate do International Club em que foi oradora a líder da JSD e em que esteve sentado à mesma mesa que o presidente do PSD, Luís Montenegro disse que não abordou o tema com Rui Rio nesta ocasião, mas manifestou-se convicto de que não andarão "muito longe" em termos de posicionamento político quanto ao próximo orçamento.

"Estamos mais a falar da forma como se exterioriza uma posição. Sinceramente não me passa pela cabeça que o PSD venha a ser o partido que vai viabilizar o próximo Orçamento do Estado e creio que também não passa pela cabeça dele", afirmou.

Para o antigo deputado, - que já admitiu vir a disputar a liderança do PSD no futuro - "do ponto de vista político não é muito útil andar a prolongar" a incerteza sobre a posição do PSD, considerando, contudo, que Rui Rio já deu a entender o voto contra "por outras palavras".

Quando questionado sobre a posição do PSD em relação ao Orçamento do Estado para 2019, Rio tem repetido que o partido só terá uma posição oficial depois de conhecido o documento, que deverá dar entrada no parlamento em 15 de outubro.

"Não é expectável que, no quarto ano de legislatura, o PS vá modificar aquela que é a sua visão quer da governação quer da gestão económico-financeira do país, tal como também não é expectável que o PSD e a sua liderança possam agora modificar a visão que temos no partido sobre essa matéria", considerou Montenegro.

O antigo líder parlamentar lembrou que, recentemente, foi o próprio Rio que afirmou que o discurso do atual Governo era "uma aldrabice política" e que não havia qualquer milagre económico.

"A clareza é sempre uma boa conselheira na relação entre eleitos e eleitores. Nem o PS está à espera do PSD para aprovar o orçamento nem o PSD está em posição de viabilizar um orçamento do PS, não vale a pena andarmos aqui com grandes rodriguinhos", defendeu.

Luís Montenegro considerou que, no final deste processo, serão, como têm sido, os partidos à esquerda a viabilizar o próximo orçamento, seja com voto favorável de todos ou com uma combinação que permita a sua aprovação.

"Eles encontrarão uma solução, mas nenhum deles vai desejar criar uma crise política e pagar o preço de lançar o país nessa instabilidade", afirmou.

Para Montenegro, apesar de todos os parceiros da 'geringonça' estarem "cansados, mesmo exauridos" da atual solução política, os partidos que têm apoiado o Governo irão continuar a fazê-lo.

"Todos querem estar fora, mas nenhum pode deixar de estar dentro", resumiu.Montenegro - que desde que deixou o parlamento tem estado afastado de iniciativas públicas - justificou a presença neste almoço-debate em que foi oradora a líder da JSD, com "a estima muito grande e a admiração" por Margarida Balseiro Lopes.

Sobre o facto de ter almoçado à mesma mesa que o presidente do PSD -- apesar de ambos só terem trocado um breve cumprimento à chegada - , o antigo deputado considerou que revela "um especial e muito natural espírito de convivência e companheirismo".

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16