sicnot

Perfil

Operação Fénix

Arguido na Operação Fénix diz que gás era da mulher e tacos de basebol dos filhos

HUGO DELGADO

Um arguido na "Operação Fénix" disse esta quinta-feira em tribunal que o aerossol de gás pimenta que lhe foi apreendido na investigação tinha sido oferecido à mulher por um tio. Disse ainda que os dois tacos de basebol também apreendidos tinham sido oferecidos por ele aos filhos, que na altura tinham oito e um anos.

"Achei estranho porque levaram os tacos mas não levaram a bola", referiu. Garantiu que os tacos eram "pequeninos, para crianças".

Quanto ao bastão extensível igualmente aprendido, o arguido alegou que tinha sido encontrado numa casa de alterne e que acabou por ficar com ele.

A investigação apreendeu ainda 510 euros, mas o arguido disse que "normalmente" andava com aquela quantia, até porque "emprestava" dinheiro a vigilantes que estivessem em dificuldades financeiras.

A "Operação Fénix", processo que está a ser julgado em Guimarães, relaciona-se com a utilização ilegal de seguranças privados.

Os arguidos respondem por crimes de associação criminosa, exercício ilícito da atividade de segurança privada, extorsão, coação, ofensa à integridade física qualificada, ofensas à integridade física agravadas pelo resultado morte, tráfico, posse de arma proibida e favorecimento pessoal.

A lista de arguidos integra a empresa SPDE - Segurança Privada e Vigilância em Eventos, acusada de um crime de associação criminosa e outro de exercício ilícito de atividade de segurança privada.

Para a acusação, ficou indiciado que este grupo se dedicava às chamadas "cobranças difíceis", exigindo, através da violência física e/ou de ameaças, o pagamento de alegadas dívidas.

O arguido ouvido esta quinta-feira em tribunal funcionaria como uma espécie de "intermediário" da SPDE, colocando vigilantes daquela empresa de Matosinhos em estabelecimentos de diversão noturna na zona da Grande Lisboa.

Além de posse de arma ilegal, o arguido está ainda acusado de associação criminosa, extorsão, exercício ilícito de atividade de segurança privada e coação.

Crimes que o arguido tentou desmontar, nomeadamente quando disse que, num dos episódios da acusação em que é acusado de ameaçar um alegado devedor, apenas lhe deu "um puxão de orelhas".

Noutra ocasião, foi apanhado nas escutas telefónicas a defender que o havia a fazer era "cortar a cabeça" a uma determinada pessoa, mas o arguido alegou que eram apenas "desabafos".

A "Operação Fénix" tem 54 arguidos, entre os quais o presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa, e o ex-administrador da SAD portista, Antero Henrique.

O principal arguido é Eduardo Silva, sócio-gerente da SPDE, que está acusado de 22 crimes, entre associação criminosa, exercício ilícito de atividade de segurança privada, favorecimento pessoal e detenção de arma proibida.

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.