sicnot

Perfil

Operação Fénix

Arguido da Operação Fénix recusa sair da prisão por falta de apoio familiar

Um dos arguidos da 'Operação Fénix' recusou passar de prisão preventiva para domiciliária, com vigilância eletrónica, tornando-se assim no único acusado neste processo com a medida de coação mais gravosa, disse o seu advogado.

Em declarações à agência Lusa, o advogado Paulo Sousa Alves, que representa o arguido Nelson Matos, disse que o seu cliente "recusou a substituição da medida de coação, por não ter apoio familiar".

Nelson Matos, um dos funcionários da empresa de segurança SPDE, vai assim manter-se no estabelecimento prisional de Custóias até ao final do julgamento, que está a decorrer no Tribunal de Guimarães.

Os restantes quatro arguidos que estavam em prisão preventiva à ordem do processo - Eduardo Silva, Hélio Varela, Jorge Sousa e Telmo Rodrigues - já deixaram o estabelecimento prisional e foram conduzidos pelos serviços prisionais aos respetivos domicílios.

A substituição da medida de coação de prisão preventiva por prisão domiciliária, com vigilância eletrónica, foi determinada pelo juiz do Tribunal de Guimarães que preside ao julgamento da 'Operação Fénix', por já não existir perigo de perturbação da produção de provas e por se encontrar "atenuado" o perigo de continuação da atividade criminosa.

A 'Operação Fénix' é um processo essencialmente relacionado com a utilização ilegal de seguranças privados, tendo como epicentro a empresa SPDE.

Os operacionais da SPDE fariam serviços de segurança pessoal, sem que a empresa dispusesse do alvará necessário para o efeito.

Os 54 arguidos respondem por crimes de associação criminosa, exercício ilícito da atividade de segurança privada, extorsão, coação, ofensa à integridade física qualificada, ofensas à integridade física agravadas pelo resultado morte, tráfico e mediação de armas, posse de arma proibida e favorecimento pessoal.

Dois dos arguidos são o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e Antero Henrique, ex-vice presidente do mesmo clube, acusados, respetivamente, de sete crimes de exercício ilícito da atividade de segurança privada.

Em causa está o facto de, alegadamente, terem contratado ou beneficiado de segurança pessoal por parte da SPDE, quando saberiam que a empresa não poderia prestar aquele tipo de serviço.Ambos já refutaram a acusação.

Lusa


  • Encontrado corpo de mariscador desaparecido no Barreiro

    País

    O corpo do homem com cerca de 50 anos apareceu esta manhã junto ao Clube Naval do Barreiro, na mesma zona onde tinha desaparecido na noite deste sábado. A informação já foi confirmada à SIC pela Polícia Marítima, que adiantou que o corpo já foi levado para a morgue. O alerta foi dado por volta das 22:30 de ontem pelos companheiros de nacionalidade chinesa que estavam com a vítima na apanha de bivalves na margem sul do Tejo.

  • IPSS despejada nos Açores
    2:25

    País

    A IPSS Aurora Social, de Ponta Delgada, nos Açores, foi notificada pelo tribunal a abandonar a cozinha onde, há mais de 20 anos, fornece comida a quem mais precisa. A decisão judicial partiu de uma queixa dos moradores e põe em causa os postos de trabalho de 13 funcionárias, a maioria com deficiência. Há dois anos que a Secretaria Regional de Solidariedade Social dos Açores tenta encontrar uma alternativa à cozinha, que tem licença da câmara.

  • Pais revoltados com transporte de crianças do Mogadouro
    4:14

    País

    Os pais dos alunos de algumas aldeias de Mogadouro estão preocupados com a falta de segurança do transporte dos filhos para a escola, na sede de concelho. Os pais contestam o autocarro degradado, que avaria com frequência, e a falta de cintos de segurança em percursos rurais com dezenas de quilómetros.

  • Vidas de fogo
    12:04
  • MP pede prisão preventiva para Hermínio Loureiro
    1:09

    País

    O Ministério Público pediu prisão preventiva para Hermínio Loureiro. A juíza de instrução criminal anuncia esta segunda-feira as medidas de coação. O vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol e antigo autarca de Oliveira de Azemeis é suspeito de 14 crimes.

  • Uma corrida subterrânea por Lisboa
    1:16

    Desporto

    Imagine uma prova em que só sabe que vai correr. Não sabe nem os percursos nem as distâncias. Quem aceitou o desafio da Underground Running em Lisboa explorou os túneis de água de Lisboa e do Museu da Mãe de Água, até ao Miradouro São Pedro de Alcântara.

  • Quer conhecer os cães mais feios do mundo?
    1:15