sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Bruxelas exige mais medidas no OE para cumprir regras europeias

A Comissão Europeia diz que são precisas mais medidas na proposta de Orçamento do Estado português para cumprir as regras europeias. E alerta que o prazo para a negociação termina na próxima sexta-feira.

© Toby Melville / Reuters

"Ainda são necessárias algumas medidas adicionais para assegurar que Portugal não está em risco grave de incumprimento" das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento, designadamente "medidas orçamentais adicionais para aproximar o esboço de plano orçamental (apresentado pelo Governo) da recomendação do Conselho", com vista a um ajustamento do défice estrutural de 0,6% do PIB, afirmou hoje, em Estrasburgo, França, o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Euro.

Valdis Dombrovskis, que falava numa conferência de imprensa para dar conta das conclusões da reunião semanal do colégio da Comissão Europeia, realizada à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, e na qual foi discutido o plano orçamental de Portugal, acrescentou que as discussões entre Bruxelas e Lisboa vão prosseguir nos próximos dias, mas no limite até sexta-feira, data em que a Comissão Europeia decidirá se o plano português apresenta ou não um risco grande de incumprimento.

"A data limite (para a conclusão das discussões) é esta sexta-feira, altura em que a Comissão identificará se há um risco particularmente grave de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento. Se não for o caso -- o que esperamos, e trabalhamos com as autoridades portuguesas para que esse não seja o caso -, então a Comissão ainda tem um par de semanas para emitir a sua opinião sobre o esboço de plano orçamental", explicou o vice-presidente do executivo comunitário.

Relativamente às "discussões intensas" entre os executivos de Bruxelas e de Lisboa, iniciadas a 28 de janeiro, Dombrovskis escusou-se a "entrar em detalhes", dado as mesmas prosseguirem, limitando-se a apontar que, apesar de o Governo já ter avançado "com algumas propostas que aproximam Portugal do cumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento", não foram ainda feitos "progressos suficientes", razão pela qual será necessário continuar a "trabalhar intensivamente nos próximos dias".

"Basicamente, estamos a falar de medidas orçamentais adicionais para aproximar o plano orçamental da recomendação do Conselho para garantir uma redução do défice estrutural de 0,6 do PIB este ano", afirmou.

Por fim, Dombrovskis garantiu que as exigências da Comissão relativamente a Portugal não têm qualquer motivação política, e visam somente cumprir as regras com que os Estados-membros se comprometeram.

"Posso assegurar, de forma clara, que a Comissão está a atuar de uma forma objetiva e imparcial, e a aplicar as regras tal como previstas no Pacto de Estabilidade e Crescimento", declarou.

Com Lusa

Última atualização às 16:03

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".