sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

CDS-PP critica proposta "sem credibilidade técnica" nem "autoridade política"

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, considerou hoje que a proposta de Orçamento do Estado para 2016 não tem "credibilidade técnica" nem "autoridade política" e manifestou-se convicto de que será apresentado um retificativo.

Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP.

Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP.

"Depois do esboço, depois do Orçamento, depois das erratas, tudo isto pode terminar num retificativo já em abril. Era isso que era importante que ficasse esclarecido. São estes factos que tornam este Orçamento do Estado sem credibilidade técnica e já agora sem autoridade política", afirmou Nuno Magalhães.

Num pedido de esclarecimento ao primeiro-ministro, António Costa, no primeiro dia do debate sobre o OE2016, Nuno Magalhães considerou que a proposta que deu entrada no parlamento "representa o contrário do que o PS andou a dizer na campanha eleitoral, não há um ano, mas há um mês".

Nuno Magalhães disse que depois de "ir a Bruxelas", o Governo inscreveu no OE2016 um aumento da receita fiscal de "1200 milhões de euros" face à receita fiscal prevista para 2015, com aumentos de impostos sobre os combustíveis, sobre as operações de multibanco, e revoga o coeficiente familiar.

Lusa

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.