sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

OE 2016 aprovado hoje na generalidade pela esquerda

O primeiro Orçamento do Estado do Governo socialista liderado por António Costa será hoje aprovado na generalidade, com os votos favoráveis de PS, BE, PCP e Verdes, e contra do PSD e do CDS-PP.

O PS, PCP, "Os Verdes" e Bloco de Esquerda e o PAN deram "luz verde" aos projetos de lei.

O PS, PCP, "Os Verdes" e Bloco de Esquerda e o PAN deram "luz verde" aos projetos de lei.

ANT\303\223NIO COTRIM

No primeiro dia do debate, que se estendeu ao longo de mais de cinco horas, o primeiro-ministro, António Costa, defendeu que o Orçamento do Estado para 2016 acaba com um "estado de exceção continuado" e "pela primeira vez em muitos anos" a estreia orçamental de um Governo não aumenta o IVA nem o IRS.

O chefe de Governo desafiou ainda a oposição a apresentar propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2016, poucas horas depois de o PSD ter anunciado o voto contra e que não iria apresentar propostas de alteração na especialidade.

"Espero que a oposição que tanto critica este orçamento tenha a frontalidade de aqui apresentar a sua alternativa. Se discorda do aumento do ISP [Imposto sobre Produtos Petrolíferos], que imposto subia em alternativa? Ou que despesa cortava?", desafiou António Costa.

Pelo PSD, falou na abertura do debate o líder parlamentar, Luís Montenegro, que classificou o OE2016 como "mau", de "erratas", "injusto" e "bipolar": "Este Orçamento é um mau Orçamento do Estado, é mau do ponto de vista técnico, é mau do ponto de vista político e é mau do ponto de vista social", afirmou.

O líder parlamentar do PSD introduziu ainda a questão da renegociação da dívida - defendida por PCP e BE - perguntando a António Costa se considera a dívida portuguesa sustentável, interrogação que ficou, contudo, sem resposta por parte do primeiro-ministro.

Na mesma linha, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, considerou que a proposta de Orçamento do Estado para 2016 não tem "credibilidade técnica" nem "autoridade política", manifestou-se convicto de que será apresentado um retificativo já em abril e considerou que a proposta que deu entrada no parlamento "representa o contrário do que o PS andou a dizer na campanha eleitoral, não há um ano, mas há um mês".

Pelo contrário, a porta-voz do BE, Catarina Martins, disse que o OE vai na direção de repor rendimentos e respeitar os direitos constitucionais, embora tenha admitido uma posição muito crítica "das opções do Governo em bastantes matérias".

O BE viu ainda o primeiro-ministro considerar "perfeitamente aceitável" a proposta sobre tarifa social da energia que o partido vai apresentar na especialidade e recebeu a garantia de António Costa de que eventuais medidas adicionais não incidirão sobre a reposição de salários e pensões nem sobre o agravamento da tributação desses rendimentos.

Por seu lado, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou que a proposta de Orçamento do Estado para 2016 "embaraça" e provoca "desespero" na direita pelos sinais de reversão das políticas de empobrecimento e exploração do trabalho, embora também tenha dito que o diploma "fica aquém do necessário e até do possível".

O PAN apelou ao Governo para incluir no Orçamento para 2016 "estratégias que tenham impacto a longo prazo no bem-estar de pessoas e de animais", enquanto os Verdes acusaram PSD e CDS-PP de pretenderem "perpetuar o empobrecimento e a austeridade", uma posição que o primeiro-ministro aproveitou para tecer fortes críticas a Passos Coelho, acusando-o de não defender os portugueses.

A discussão do OE2016 começou na quinta-feira, na Assembleia da República, prolongando-se até hoje, data da votação na generalidade. O OE2016 será depois analisado e discutido pelos deputados na especialidade, com debates marcados para 10, 14 e 15 de março e a sua votação final global em 16 de março.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.