sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Vieira da Silva acusa PSD e CDS de "ausência" no debate sobre OE

O ministro do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social acusou hoje o PSD e o CDS-PP de "nada terem a dizer sobre o Orçamento", porque ainda não aceitaram os resultados "do exercício da democracia".

José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

ANT\303\223NIO COTRIM

"A ausência do PPD/PSD deste debate, limitada a estas intervenções às quais falta substância, talvez seja percetível pelo facto de não terem ainda aceitado plenamente os resultados do exercício da democracia", acusou Vieira da Silva.

No segundo dia do debate orçamental, o governante afirmou que o PSD "tem sentado na bancada alguém que parece desempenhar o papel de primeiro-ministro no exílio e por isso mesmo nada tem a dizer", frisando que a Assembleia da República "derrubou o governo que queriam criar".

Na sua intervenção, Vieira da Silva disse que o governo "não enjeita as opções" feitas na proposta orçamental, que disse traduzir "o essencial dos compromissos que o governo e o PS nos momentos eleitorais e de formação do governo".

"Lá está a reposição dos salários, lá está o combate à quebra do valor das pensões, lá está o aumento do salário mínimo nacional", defendeu.

No entanto, sustentou, o Orçamento "também vale por aquilo que não tem das políticas da direita de recessão e de retrocesso social".

"E só não está lá o corte das pensões que os senhores prometeram a Bruxelas e esconderam nas eleições porque os senhores perderam essas eleições", declarou.

Vieira da Silva acusou o anterior governo PSD/CDS-PP de terem uma política de "substituir direitos sociais por assistência" , "regulação pública por ausência de Estado" e de "reduzir a solidariedade à caridade".

Quanto a medidas concretas, Vieira da Silva destacou que a proposta orçamental "multiplica por dois o esforço financeiro destinado às transferências de rendimentos para os idosos" face ao governo anterior, e "cresce em 120 milhões as dotações para os mínimos sociais".

Quanto às pessoas com deficiência, Vieira da Silva afirmou que a "prestação única de combate à pobreza decerto fará parte do Orçamento para 2017".

Num pedido de esclarecimento, o deputado do PSD Adão Silva classificou como "hilariante" a intervenção do ministro, ironizando que "foi o PS que ganhou as eleições".

O deputado questionou depois o governante sobre as previsões das contribuições para a Segurança Social, que "crescem sete vezes mais na proposta de orçamento do Estado do que as previsões de crescimento do emprego que gera essas contribuições".

Para Adão Silva, os números do Governo são "cosmética", considerando que está por explicar como é que com um crescimento do emprego tão baixo se prevê um aumento tão alto das contribuições.

Na resposta, o ministro defendeu que o crescimento atual das contribuições para a Segurança Social "está em linha" com o que está previsto no documento.

"Nós gostaríamos que o crescimento do emprego fosse maior. Mas o emprego que vai crescer em 2016 vai ser muito diferente daquele que os senhores criaram, num subsídio dependência. Não estará dependente de tantos empregos falsos e de tantos estágios pagos a peso de ouro", acusou o ministro.

Vieira da Silva admitiu ainda, em resposta ao deputado do BE José Soeiro, a abertura do governo a propostas bloquistas para "um reforço do segundo e terceiro escalão do abono de família".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.