sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

ANTRAM admite novas formas de luta se não chegar a acordo com o Governo

A ANTRAM reúne-se na sexta-feira com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, admitindo estudar outras formas de intervenção se não forem encontradas soluções para mitigar os impactos do aumento do imposto sobre combustíveis no setor.

Na semana passada, a Associação Nacional de Transportadoras Rodoviárias de Mercadorias (ANTRAM), juntamente com a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), entregou ao Governo um caderno reivindicativo para mitigar os impactos do aumento do ISP, considerando ser "essencial chegar-se a uma plataforma de entendimento".

"Todavia, caso não se concretizem as medidas apresentadas, não restará à ANTRAM outra alternativa que a realização de nova reunião com os seus associados para definir outros tipos de intervenção na luta por melhores condições para desenvolver a sua atividade", admite a ANTRAM, num comunicado enviado hoje e que divulga também o encontro com o secretário de Estado.

As duas associações que representam as transportadoras rodoviárias de mercadorias exigem uma maior diferenciação no Imposto Único de Circulação (IUC) entre o transporte particular e o profissional, através de uma penalização do particular, para compensar o aumento do ISP.

Em primeiro lugar, as transportadoras rodoviárias de mercadorias querem a devolução do aumento de seis cêntimos por litro de gasóleo e de gasolina do ISP, previsto no Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), em vigor desde meados de fevereiro.

Mais do que não sofrer este agravamento, as associações querem que o preço dos combustíveis, que representa 35% dos custos das empresas, seja equiparado ao praticado em Espanha, o que deverá ocorrer através da devolução do ISP, com base no consumo real de combustível.

As associações recuperam ainda uma reivindicação antiga - incentivos à renovação das frotas e também incentivos ao abate de veículos pesados de mercadorias com dez ou mais anos - e exigem mais descontos nas taxas de portagem, nomeadamente alargando o período horário de descontos e/ou distinguindo consoante a classe poluente em que os veículos se inserem.

"A ANTRAM, que sempre apostou num diálogo proativo com o Governo, espera receber um 'feedback' positivo às propostas apresentadas", salienta a associação.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.