sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Primeiro-ministro diz que nada indica que sejam necessárias medidas adicionais

O primeiro-ministro defendeu hoje em Bruxelas que "nada" indica que Portugal venha a necessitar de medidas orçamentais adicionais para cumprir as metas, assumindo que Governo e Comissão Europeia "divergem" na análise dos riscos associados ao orçamento para 2016.

Ant\303\263nio Jos\303\251

"Nós divergimos da Comissão quanto à análise. Nós não identificamos os mesmos riscos, mas tomamos boa nota das recomendações da Comissão e, na postura construtiva que sempre temos tido, preparar-nos-emos para qualquer eventualidade, porque a nossa determinação de alcançar os objetivos previstos no orçamento é total", afirmou António Costa aos jornalistas, à margem de uma cimeira UE-Turquia

Poucas horas depois de o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, ter afirmado que as medidas adicionais que Portugal ficou de preparar são mesmo para ser implementadas, o primeiro-ministro disse que o Governo "toma nota" das preocupações de Bruxelas e vai preparar essas medidas, tal como se comprometeu, mas insistiu que não vê "nenhuma razão para alterar o orçamento", e "quer a execução de janeiro, quer a execução de fevereiro confirmam" que está a ser seguida "a trajetória certa" para alcançar as metas.

"O nosso compromisso é uma execução rigorosa do orçamento, de forma a diminuir os riscos e a reforçar a confiança. Como temos dito, o nosso plano B é executar o plano A. E, portanto, é aí que temos estado a trabalhar. E aquilo que eu gostaria de reafirmar é que não vemos qualquer razão para alterar o orçamento, não vemos qualquer razão para temer a nossa capacidade de dar uma boa execução ao orçamento, não vemos qualquer razão para recear não alcançarmos os objetivos muito ambiciosos que estão contidos no orçamento", sustentou.

Apontando que o Governo não deixará de fazer o "trabalho de casa, para uma eventualidade", António Costa reforçou todavia que os indicadores de que o Governo dispõe mostram que as medidas adicionais "não serão necessárias", e disse acreditar que em breve, mais concretamente na primavera, os mais céticos ficarão mais descansados.

"Na primavera haverá uma nova apreciação, já tendo em conta dados da execução (orçamental). Estou convencido de que nessa altura aqueles que hoje veem riscos estarão mais confortados, aqueles que hoje não veem riscos terão ainda mais confiança, e por isso iremos ter uma boa execução deste orçamento para 2016", afirmou.

Pouco antes, o comissário Moscovici afirmou que as medidas orçamentais adicionais que o Governo português ficou de preparar terão mesmo que ser implementadas, e indicou que abordará o assunto em Lisboa na quinta-feira.

Questionados no final de uma reunião do Eurogrupo sobre o facto de a declaração hoje adotada pelo fórum de ministros das Finanças da zona euro indicar que o Governo português está a preparar medidas para serem implementadas "quando necessário", para garantir que o orçamento de 2016 cumprirá o Pacto de Estabilidade e Crescimento, e não "se necessário", o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem disse em tom irónico que iria refletir na diferença entre os termos e desafiou Moscovici a abordar o assunto, o que o comissário fez de forma taxativa.

"Eu posso explicar a diferença entre «se» e «quando» na declaração: significa que essas medidas terão que ser implementadas, e eu estarei em Lisboa na quinta-feira para discutir isso com o ministro das Finanças e com o primeiro-ministro", declarou Moscovici.

O assunto será então abordado ainda esta semana, em Lisboa, por ocasião de uma deslocação do comissário Moscovici, que visa fazer avançar "o estreito diálogo" entre a Comissão e o Governo sobre as políticas económicas e orçamentais de Portugal, "tendo em vista os próximos passos no processo do semestre europeu", indicou hoje à Lusa fonte comunitária.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC