sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Finanças garantem que meta de redução do défice será cumprida

ANTONIO COTRIM

O Ministério das Finanças reiterou hoje que a meta de redução do défice será cumprida este ano, apesar de o crescimento económico no segundo trimestre ter sido inferior ao subjacente no Orçamento do Estado de 2016 (OE 2016).

"A economia portuguesa cresceu 0,8% face ao segundo trimestre de 2015. Uma evolução inferior à que está subjacente ao OE2016. A economia está assim a levar mais tempo a acelerar o ritmo de crescimento", admitiu hoje o ministério tutelado por Mário Centeno em comunicado, depois de o Instituto Nacional de Estatística (INE) ter divulgado hoje a sua estimativa rápida das contas nacionais.

De acordo com os números divulgados pelo INE, a economia portuguesa cresceu 0,2% entre abril e junho face ao primeiro trimestre deste ano, taxa idêntica à dos dois trimestres anteriores, e avançou 0,8% em termos homólogos, o que representa uma desaceleração face ao crescimento de 0,9% no trimestre anterior.

No comunicado, o ministério afirmou ainda que "o crescimento nominal do PIB dever-se-á ter mantido robusto no segundo trimestre (após 3,3% no primeiro trimestre)", concluindo que, "por isto, a execução fiscal no primeiro semestre encontra-se em linha com o orçamentado".

Assim, a tutela voltou a afirmar o objetivo do défice para o conjunto do ano: "O rigor das contas públicas traduz-se, também, na contenção da despesa pública. Como resultado, a melhoria do défice público no primeiro semestre excedeu o projetado no OE de 2016, permitindo antever o cumprimento do objetivo anual".

Sem referir se mantém ou altera a meta de um crescimento económico de 1,8% para este ano, conforme previsto no OE2016 e reiterado no Programa de Estabilidade 2016-2020, o Ministério das Finanças disse apenas que, "nos próximos meses, o crescimento económico deverá ser sustentado nos sinais de franca recuperação do mercado de trabalho".

O ministério salientou ainda que "os indicadores de confiança da indústria, construção, serviços e comércio, estão acima dos valores que registavam no final de 2015" e que as "expectativas de investimento em 2016, divulgadas pelo INE, são as mais elevadas desde 2007", acrescentando que o Portugal 2020 virá reforçar o investimento.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Incêndio em Alfragide deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação em Alfragide, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa