sicnot

Perfil

OE 2016

OE 2016

Orçamento do Estado 2016

Redução do IVA, 35 horas e CGD podem prejudicar meta de redução do défice

A agência de rating Fitch avisa que a redução do IVA na restauração, o regresso às 35 horas na função pública e a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos podem prejudicar a meta de redução do défice este ano.

A meados de agosto, a Fitch manteve o rating atribuído a Portugal no nível BB+, ainda considerado de lixo, com perspetiva estável, apontando riscos para a meta do Governo de reduzir o défice para 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, nomeadamente devido às incertezas quanto ao impacto das medidas que vão ser implementadas e o crescimento económico fraco, e previu que o défice atinja os 2,7%, acima dos 2,5% previstos por Bruxelas.

Num relatório datado de 2 de setembro, divulgado esta segunda-feira pelo Jornal de Negócios e a que a agência Lusa também teve acesso, a Fitch reiterou a preocupação com a meta de redução do défice e salientou alguns fatores de risco, apesar de considerar que a execução orçamental até julho (em contabilidade pública) aponta para "um quadro orçamental relativamente estável".

"Vários fatores, no entanto, podem complicar a performance orçamental na segunda metade de 2016 e daí para a frente", alertaram os analistas da Fitch, apontando que a redução do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) na restauração "pode ter um impacto adverso na receita indireta superior ao esperado pelo Governo" e que, "da mesma maneira, a despesa corrente pode ser pressionada pela redução das horas semanais de trabalho dos funcionários públicos".

Neste contexto, a Fitch mantém a "previsão cautelosa" de um défice de 2,7% do PIB no final deste ano, mas deixa um conselho: "Se o Governo decidir manter algumas 'almofadas orçamentais - as autoridades identificaram cativações de despesa no valor de 0,25% do PIB - então o défice pode aproximar-se da meta".

A Fitch alerta ainda para "alguma pressão" dos partidos de esquerda que apoiam o Governo no parlamento para "abrandar o ritmo da consolidação orçamental ou para impedir algumas medidas que venham a ser impostas pela Comissão Europeia".

Ainda assim, os analistas da agência de 'rating' afirmam que o "maior risco" para as contas portuguesas é "a fraqueza do setor financeiro e, principalmente, a necessidade de injetar mais capital na Caixa Geral de Depósitos (CGD)".

"Embora os fundos para recapitalizar a CGD venham do Estado, não há clareza quanto ao impacto final que essa injeção tenha no défice e nas metas exigidas por Bruxelas. É certo que a recapitalização vai afetar as necessidades de financiamento do Estado ou que pode levar a um aumento da dívida", sublinha a Fitch.

Numa entrevista publicada hoje pelo Jornal de Negócios, a presidente da Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), Cristina Casalinho, assegurou que a recapitalização da Caixa não terá impacto no financiamento deste ano.

A 19 de agosto, quando anunciou que manteve o rating atribuído a Portugal, a Fitch já tinha avisado que a pressão sobre o setor financeiro pode influenciar negativamente a evolução da nota.

As instituições financeiras continuam a ressentir-se da falta de qualidade dos seus ativos, afetados pela exposição ao fraco crédito hipotecário e aumento dos créditos de cobrança duvidosa, sobretudo na carteira empresarial.

"Isto continua a ser um entrave à rentabilidade e coloca pressão sobre a posição de capital de algumas instituições como a CGD. As autoridades pretendem concluir a reestruturação do sistema em meados de 2017 (incluindo a venda de Novo Banco), mas pode haver atrasos neste calendário", sublinhou, na altura, a agência.

Lusa

  • António Costa desdramatiza recomendação da UTAO
    1:41

    Economia

    A UTAO calculou um défice de 2,7% no 1º semestre do ano e os técnicos pedem atenção ao Governo no para que a meta seja atingida. António Costa desdramatiza e insiste que Portugal vai fechar o ano com um défice abaixo dos 2,5% exigidos por Bruxelas.

  • UTAO estima défice de 2,7% no 1.º semestre

    Economia

    A UTAO estima que, no primeiro semestre deste ano, o défice orçamental se tenha situado nos 2,7% do PIB, em contas nacionais, uma "melhoria face ao período homólogo", mas alerta para "pressões orçamentais" no segundo trimestre.

  • Marcelo confiante no cumprimento do défice em 2016
    2:15

    Economia

    O Presidente da República mostrou-se confiante no cumprimento do défice em 2016, afirmando que se o cenário se mantiver como está agora, Portugal consegue alcançar o défice de 2.5% do PIB. No entanto, o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, discorda e diz que os números de que dispõe apontam noutro sentido.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59