sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

PCP exige aumento de salários, 35 horas e pelo menos mais 10 € nas pensões

O PCP exige para o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) "aumento geral dos salários", "redução para 35 horas para todos os trabalhadores" do horário semanal e aumento "não inferior a 10 euros" nas pensões.

No projeto de resolução política para o XX Congresso Nacional, entre 02 e 04 de dezembro, em Almada, os comunistas prometem, "nos próximos meses, no quadro da sua ação política, seja no âmbito do próximo orçamento, seja no plano da sua intervenção política e institucional", continuar a "bater-se pelos objetivos que considere necessários e indispensáveis para o país".

"Exigência do aumento geral dos salários, designadamente do salário mínimo nacional para 600 euros a partir do início do próximo ano, pelo descongelamento das carreiras na administração pública, pela reposição dos direitos retirados, contra a precariedade e todas as formas de exploração, contra a desregulação dos horários de trabalho e pela sua redução para 35 horas para todos os trabalhadores", são desejos expressos.

O documento defende o "aumento extraordinário das reformas e pensões num valor não inferior a 10 euros, visando a reposição das parcelas de rendimento perdidas nos últimos quatro anos, e procedendo à alteração do mecanismo de atualização anual das pensões, para revalorizar o conjunto das pensões, designadamente das mais baixas".

"Mais e melhor segurança social, pelo aumento do valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS), pela melhoria das prestações sociais, alargando as condições de acesso, designadamente ao abono de família, de proteção às pessoas com deficiência, em situação de desemprego ou de pobreza; pelo aumento de receitas através de um efetivo combate à evasão e dívida e pela diversificação das fontes de financiamento", são outras "bandeiras" do PCP.

Os dirigentes comunistas querem ainda "o aumento do número de médicos, enfermeiros e assistentes operacionais", "a gratuitidade dos manuais escolares no ensino obrigatório, fixando-a já no próximo ano para o 1.º ciclo do ensino básico", a "diminuição do número de alunos por turma" e a "contratação e vinculação dos professores ao quadro" e "contratação dos trabalhadores não-docentes em falta".

Combater "injustiças no sistema fiscal, tributando o grande capital, o património mobiliário e o património imobiliário de elevado montante", embora sem especificar valores, e limitar "a especulação fiscal e a grande evasão fiscal", de forma a aliviar "impostos sobre os trabalhadores e o povo e desagravando a tributação sobre as micro, pequenas e médias empresas" é outra ideia avançada.

Mais genericamente, o PCP mostra-se "contra a privatização do Novo Banco" e "em defesa da produção nacional, por uma política que promova e reforce o investimento público orientado para o crescimento e emprego, com políticas que defendam a agricultura, as pescas e a indústria" e "promovam a base científica e tecnológica nacional", além de "uma política de defesa da floresta, condição essencial para prevenir os fogos florestais".

O PCP sublinha os avanços já alcançados, "ainda que de forma limitada e insuficiente", os quais "permitiram garantir, entre outros, a reposição dos feriados, o fim da sobretaxa de IRS, o fim dos cortes nos salários e a reposição das 35 horas na administração pública, a gratuitidade de manuais escolares (no 1.º ano do ensino básico), a redução do IVA na restauração, a redução do preço de portagens em autoestradas, o apoio aos produtores de leite e a contratação de médicos e enfermeiros para o Serviço Nacional de Saúde.

O documento, publicado hoje no "Avante!", o jornal oficial dos comunistas e aprovado no fim de semana pelo Comité Central, que pode ainda vir a sofrer alterações até e inclusive na reunião magna do final do ano, vai ser novamente submetido a debate nas organizações regionais do PCP, seguindo-se a eleição para delegados ao congresso de Almada, no Complexo Municipal dos Desportos local, sob o lema: "PCP - Com os trabalhadores e o Povo. Democracia e Socialismo".

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC