sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Portas diz que imposto sobre património ameaça competitividade portuguesa

© Reuters

Paulo Portas considerou esta terça-feira Portugal "altamente competitivo" para estrangeiros que procuram, nomeadamente, uma segunda residência, afirmando que um novo imposto sobre património "ameaçaria isso", afugentando esses investidores.

"Portugal construiu um caso altamente competitivo como um país bom para ter segunda residência ou para viver uma parte da vida, tanto para não europeus, com vistos para investimento, como para europeus", afirmou Paulo Portas na Cimeira do Turismo Português, que decorre em Lisboa, considerando que se ainda fosse governante "manteria absolutamente esse tesouro", uma vez que esse posicionamento do país consegue "captar investimento, renovar a cidade, ter gente com dinheiro a viver e a gastar dinheiro em Portugal".

"Eu não ameaçaria isso com nenhum imposto, nem impostos de património nem impostos de sucessão", afirmou o vice-primeiro-ministro do governo de coligação PSD/CDS-PP, liderado por Passos Coelho.

Para Paulo Portas, num mundo tão globalizado, Portugal não pode arriscar perder o estatuto de competitividade que ganhou nos últimos anos, uma vez que facilmente "as pessoas hoje carregam numa tecla e vão para outro lugar".

A criação de um novo imposto sobre a propriedade imobiliária de elevado valor, que pode constar no Orçamento do Estado para 2017, tem provocado muito debate nas últimas semanas, nomeadamente quanto aos efeitos macroeconómicos.

Lusa

  • Direita acusa Mariana Mortágua de mandar no Governo
    1:51

    País

    As reações ao novo imposto sobre o património continuam. Agora, é o líder parlamentar do Bloco de Esquerda a garantir que o Governo tinha conhecimento de que Mariana Mortágua ia divulgar a proposta do novo imposto e, que a estratégia foi aceite pelas duas partes. Esta quarta-feira, o primeiro-ministro e vários membros do Executivo viram-se obrigados a dar mais explicações. A Direita acusa Mariana Mortágua de mandar no Governo e dentro do PS há quem critique que a deputada anuncie medidas.

  • Promotores imobiliários revoltados com novo imposto
    1:15

    Economia

    Os promotores imobiliários não escondem que estão revoltados com o novo imposto sobre o património e até o ex-ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, discorda da medida. Numa altura em que está instalada a polémica em torno do assunto, realizou-se no Estoril um encontro que pretende atrair a comunidade internacional para o investimento imobiliário em Portugal.

  • Costa garante que novo imposto não vai afetar rendimentos das famílias
    2:34

    Economia

    O primeiro-ministro diz que é prematuro discutir um novo imposto sobre o património. No entanto, António Costa garante que a medida não vai penalizar o investimento ou os rendimentos das famílias. A forma como o novo imposto foi anunciado já mereceu críticas do presidente da Câmara de Lisboa. Já Mariana Mortágua, recusou-se a fazer mais comentários.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC