sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Conselho de Finanças Públicas diz que últimos três meses do ano serão exigentes

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) avisou hoje que a execução orçamental dos últimos três meses do ano será exigente, devido ao impacto no défice de medidas que entraram em vigor durante o segundo semestre, e pediu prudência.

No relatório sobre a evolução orçamental até ao final do segundo trimestre de 2016 divulgado hoje, o CFP lembra que o défice orçamental em contas nacionais (a ótica dos compromissos, que conta para Bruxelas) foi de 2,8% do PIB na primeira metade do ano, uma melhoria em termos homólogos (em 1,8 pontos percentuais do PIB) e face ao trimestre anterior (em 0,2 pontos).

No entanto, a entidade liderada por Teodora Cardoso deixa um aviso: "Nas condições particulares da execução orçamental em 2016, as comparações com períodos homólogos devem ser interpretadas com especial prudência".

"Se em anos anteriores o segundo semestre tem registado défices menores do que o primeiro, as circunstâncias específicas do ano de 2016 aconselham alguma prudência quanto à expectativa de poder ser observada uma evolução similar", afirma o CFP.

Em causa está não só o "início tardio" da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), mas também medidas com impacto na receita (como a descida do IVA na restauração que entrou em vigor em julho) e na despesa (as últimas fases da reposição salarial na Função Pública e regresso às 35 horas).

Estas medidas, "conjugadas com o abrandamento do crescimento da receita fiscal e uma evolução da economia nacional e internacional abaixo do previsto no cenário macroeconómico subjacente ao OE2016, tornam o exercício de execução orçamental na segunda metade do ano (e em particular nos últimos três meses) particularmente exigente", avisa o CFP.

É que no segundo trimestre, a receita fiscal abrandou o ritmo de crescimento, tendo subido 0,5% em termos homólogos, quando no primeiro trimestre tinha aumentado 6,5%.

Embora em termos acumulados, no primeiro semestre, a receita fiscal tenha crescido 3,4%, acima da meta prevista pelo Governo para o conjunto do ano (3,1%), a entidade está preocupada com o abrandamento da receita fiscal no segundo trimestre, sobretudo nos impostos indiretos.

Apesar do "bom desempenho do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP)", o CFP destaca que esse crescimento "é inferior a um terço ao aumento previsto pelo Ministério das Finanças, evidenciando um desvio de execução de improvável recuperação".

Do lado da despesa, no final do semestre é de notar uma redução homóloga (-2,3%) que contrasta com o aumento anual previsto pelo Ministério das Finanças (1,5% no Programa de Estabilidade), uma evolução para a qual contribuíram todos os agregados da despesa com exceção da despesa com pessoal e das prestações sociais.

No primeiro semestre, as despesas com pessoal registaram uma taxa de crescimento de 2,1%, superior à subida de 1,7% implícita no Programa de Estabilidade, uma tendência que "deverá acentuar-se em função do impacto crescente da reposição salarial e da redução do horário de trabalho dos funcionários públicos".

A entidade também está preocupada com a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), bem como a compensação a subscritores de dívida emitida por entidades do Grupo Espírito Santo (GES) comercializada aos balcões do antigo BES, que "poderão vir a ter impactos negativos no saldo orçamental e na dívida pública".

Assim, para o conjunto do ano, o CFP mantêm as previsões apresentadas em setembro, esperando um défice orçamental de 2,6% do PIB este ano, acima da meta de 2,2% inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade (apresentado em abril) e da meta de 2,5% definida por Bruxelas.

Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC