sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Costa afirma-se "tranquilo" com acordo à esquerda

O primeiro-ministro afirmou hoje não antever especiais dificuldades nas negociações do Orçamento para 2017 com Bruxelas e manifestou-se "tranquilo" com a forma como decorre o diálogo à esquerda para a viabilização da proposta do Governo no parlamento.

António Costa falava aos jornalistas no final da sua visita à multinacional de telecomunicações chinesa Huawei, em Shenzhen, província de Guandong, no último ponto da sua visita oficial de cinco dias à República Popular da China.

Questionado sobre a sua expetativa em relação à reação da Comissão Europeia face à proposta de Orçamento do Estado para 2017 que está a ser preparada pelo Governo, o primeiro-ministro desdramatizou esse processo.

"As conversações vão decorrer normalmente e não antevejo que haja qualquer dificuldade no que diz respeito às conversas com a Comissão Europeia. Os nossos objetivos estão inscritos no Pacto de Estabilidade, que foi aprovado pela Comissão Europeia", sustentou o líder do executivo.

António Costa disse ainda esperar que as negociações com Bruxelas "corram como normalmente correm, porque é um diálogo sempre franco entre Portugal e a Comissão Europeia e que tem terminado sempre bem".

"Não vejo que vá terminar mal e este não é um exercício exclusivo da Comissão Europeia em relação a Portugal. Para tal, basta ler a imprensa internacional para ver como há várias semanas decorrem as negociações a propósito do Orçamento de Itália", apontou o primeiro-ministro.

António Costa foi também questionado se está a encontrar dificuldades no diálogo político com as restantes forças da esquerda política (PCP, Bloco de Esquerda e PEV), na frente interna, para a viabilização pelo parlamento da proposta do Governo de Orçamento.

"Tenho estado tranquilo. Acho que não há motivo de preocupação", limitou-se a afirmar o primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, António Costa voltou a recusar-se a entrar em detalhes sobre a proposta de Orçamento do Estado, alegando não tem estado "a acompanhar diretamente esse assunto".

"Certamente, iremos cumprir o calendário. Na quinta-feira, teremos Conselho de Ministros e, depois, na sexta-feira, a proposta será entregue no parlamento e apresentada publicamente nesse dia pelo ministro das Finanças, Mário Centeno", acrescentou.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.