sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

António Saraiva diz que "qualquer aumento da carga fiscal" terá "repúdio" da CIP

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) afirmou esta quinta-feira que "qualquer aumento da carga fiscal" em 2017 terá "o repúdio" dos patrões porque "a base do orçamento" tem que ser a redução da despesa e promoção do investimento.

"Qualquer aumento da carga fiscal, seja por impostos diretos ou indiretos, terá o nosso repúdio. Não é essa a solução, a solução passa pela redução da despesa e pela promoção do investimento. Esta deve ser a base do orçamento e, se assim não for, merecerá a nossa crítica", afirmou António Saraiva em declarações aos jornalistas à margem do Encontro da Indústria Automóvel - 50 Anos de Competitividade, que decorre em Santa Maria da Feira.

Embora remetendo para "sede e momento próprios" uma apreciação da CIP ao Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) - que será entregue na sexta-feira pelo Governo no parlamento e relativamente ao qual a confederação não quer neste momento "acrescer ruído ao ruído que já está no ar" - Saraiva confessou-se "preocupado" com "algumas das notícias que têm vindo a público" relativamente às medidas que poderão estar contidas no documento.

"Preocupam-nos algumas das notícias que têm vindo a público, mas vamos aguardar com serenidade a apresentação da proposta de orçamento. Vamos apreciar e depois vamos criticar, valorizando e enaltecendo o que for de valorizar e criticando o que for criticável", disse.

Contudo, o presidente da CIP avisa desde já que, tal como a confederação já vem defendendo em anos anteriores, "o orçamento deve ser uma peça que fomente o crescimento económico e que vise a redução da despesa, a promoção do investimento e o crescimento económico como um todo".

"Estamos conscientes das dificuldades do país, participaremos nas soluções, mas não aumentem mais a carga fiscal, porque já é exagerada, e deem previsibilidade fiscal. Este orçamento, tal como já deveria ter sido o anterior, deve apostar na economia, na promoção do investimento, no crescimento económico e na redução da despesa, porque aí é que está o motor do crescimento", sustentou.

Relativamente às negociações em sede de Concertação Social relativamente à subida do salário mínimo em 2017, António Saraiva reiterou que este "não pode aumentar para além daquilo que está definido no atual acordo, que foi assinado pelo atual Governo e pelos parceiros sociais (à exceção da CGTP)". E, embora sem querer avançar um valor, assevera que não se situa nos 557 euros que o Governo já anunciou que vai propor depois de ter acertado esse número com os partidos que o apoiam no parlamento.

"Aquilo que nós cumpriremos é que aquilo que está acordado nos seus referenciais e na sua valorização. É uma questão de fazermos as contas (nós já as fizemos, é uma questão de o Governo as fazer igualmente) e vai dar um valor. Não venham é com imposições à partida de valores que não resultam da métrica que está validada nesse próprio acordo", afirmou.

Para António Saraiva, "a evolução da política salarial, seja do salário mínimo ou dos contratos coletivos de trabalho, tem que ser ajustada com honestidade intelectual à evolução da produtividade, ao crescimento económico e à inflação", não pode é ser imposta "por decreto".

"Vamos encontrar um outro acordo em sede de Concertação Social que seguramente fará evoluir o salário mínimo, que reconhecemos que é baixo e que temos que melhorar. Podemos incorporar-lhe outros critérios que tenham a ver com fatores de competitividade da economia, inovação, burocracia, custos energéticos e outros, e então as empresas estarão em condições de enfrentar uma política salarial em moldes diferentes. Incorporemos isso num acordo e temos margem de negociação. Esta é a nossa posição", sustentou.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.