sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Governo mantém contribuição extraordinária sobre setor bancário

© Ints Kalnins / Reuters

O Governo vai manter em 2017 a contribuição extraordinária sobre o setor bancário, segundo uma versão do articulado do Orçamento do Estado de 2017 (OE2016) com data de 13 de outubro.

"A contribuição sobre o setor bancário, cujo regime foi estabelecido pelo artigo 141.º da Lei n.º 55-A/2010, de 31 de dezembro, mantém -se em vigor durante o ano 2017", lê-se no documento a que a Lusa teve acesso.

Esta informação não refere o valor específico da taxa nem se existirá alguma alteração ao valor que os bancos pagam sobre o seu passivo e que serve para financiar o Fundo de Resolução bancário, que serviu para financiar o Novo Banco na sequência da resolução do Banco Espírito Santo (BES), devendo isso ser esclarecido no relatório que acompanha a proposta de lei.

No final de setembro, o Ministério das Finanças disse em comunicado que o esforço das contribuições ordinárias e extraordinárias pegas pelos bancos se iam manter "ao nível atual" e que não haveria qualquer nova taxa extraordinária para financiar o Fundo de Resolução, depois de o prazo de empréstimo que o Estado deu ao Fundo de Resolução - aquando da resolução do BES - ter sido estendido para que o Fundo o possa pagar de forma mais gradual.

A imprensa escreveu então que o não agravamento das contribuições foi uma das condições colocadas pelo grupo chinês Fosun (que já tem em Portugal a Luz Saúde e a seguradora Fidelidade) para vir a ser acionista do Millennium BCP.

No Orçamento do Estado deste ano, o Governo aumentou a contribuição sobre o setor bancário, agravando a taxa sobre a qual é calculado o valor a pagar por cada instituição (passando a taxa aplicável sobre os passivos a variar entre 0,01% e 0,110%, quando anteriormente ia no máximo a 0,085%) e passando-a a incidir também sobre os bancos estrangeiros com sucursais em Portugal.

O executivo liderado por António Costa justificou então o aumento, com que estimava arrecadar mais 50 milhões de euros, com a necessidade de garantir a "solvência inequívoca" do Fundo de Resolução bancário.

Em 2015, segundo o Relatório e Contas do Fundo de Resolução Bancário, a contribuição sobre os bancos rendeu 182,2 milhões de euros.

A contribuição sobre o setor bancário foi uma medida extraordinária instituída pelo executivo de José Sócrates em 2011, mas desde então todos os governos a mantiveram, servindo para financiar o Fundo de Resolução bancário, uma vez que este consolida nas contas públicas.

O valor a pagar pelos bancos tem em conta a aplicação da taxa sobre o passivo dos bancos, depois de subtraído o valor do passivo dos fundos próprios e o montante dos depósitos abrangidos pelo Fundo de Garantia.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.