sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Primeiro-ministro diz que é tempo de tomar decisões sobre regras da zona euro

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O primeiro-ministro defendeu hoje que devem ser tomadas decisões para que as regras da zona euro deixem de ser "um instrumento de divergência" e de instabilidade, após uma pergunta do PEV, no debate quinzenal no parlamento.

"É muito importante que na Comissão, no Conselho e sobretudo ao nível do Parlamento Europeu que este tema hoje já não seja um tabu. Tem que passar a ser de um tema discutido para um tema sobre o qual há decisões porque as decisões são necessárias", disse António Costa.

A deputada do PEV Heloísa Apolónia escolheu o tema dos "constrangimentos" das regras da zona euro para abrir o debate quinzenal com o primeiro-ministro, afirmando que têm sido "uma agonia" e um "travão ao desenvolvimento dos países mais frágeis".

"É preciso que o país assumisse que [as regras] estão a amarrar-nos o futuro", afirmou Heloísa Apolónia.

António Costa considerou "indiscutível" que dos 30 anos de participação de Portugal no euro, os primeiros 15 foram de convergência e os segundos 15 anos foram de uma "prolongada estagnação", com épocas de crescimento medíocre e outras de recessão.

"É necessário que o conjunto da Europa o compreenda porque o problema não é só o problema da divergência que as economias mais frágeis como a portuguesa têm sofrido ao longo dos anos", disse.

Para António Costa, essa fragilidade tem sido "um fator de instabilidade para o conjunto da zona euro". Primeiro-ministro diz que é tempo de tomar decisões sobre regras da zona euro

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC