sicnot

Perfil

Orçamento do Estado 2017

Proteção a vítimas de violência doméstica com mais de 15 milhões de euros

Os mecanismos de proteção às vítimas, nomeadamente de violência doméstica, têm em 2017 uma verba superior a 15 milhões de euros, segundo a proposta de Orçamento do Estado apresentada esta sexta-feira.

No documento, o Governo propõe-se melhorar os mecanismos de proteção às vítimas, designadamente de violência doméstica, por via de vigilância eletrónica, teleassistência e através de uma "Estratégia de Combate à Violência Doméstica e de Género".

Pretende-se, diz-se no documento, "a territorialização das respostas e o desenvolvimento de um trabalho em rede que promova as condições mínimas necessárias ao apoio e proteção das vítimas".

A prevenção e proteção à vítima tem verbas afetadas em várias áreas, especialmente nas forças de segurança, que são dotadas de 11,1 milhões de euros para esse fim.

Nas áreas da governação e da justiça estão previstos mais cerca de cinco milhões de euros para os mecanismos de proteção à vítima.

O Governo apresentou hoje a proposta de Orçamento do Estado de 2017, que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Para este ano, o executivo liderado por António Costa piorou as estimativas, esperando agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.