sicnot

Perfil

Óscares 2017

Óscares 2017

Óscares 2017

Depois de 21 nomeações, o Óscar finalmente chegou

A cerimónia dos Óscares deste ano vai ficar para a história, não só por causa da gafe na entrega de Melhor Filme mas também porque, 34 anos e 21 nomeações depois, Kevin O'Connell venceu o Óscar de Melhor Mistura de Som no filme "O Herói de Hacksaw Ridge", realizado por Mel Gibson.

Kevin O'Connell foi nomeado 21 vezes, a primeira em 1983, mas nunca tinha conseguido levar para casa a estatueta dourada. Este domingo, a 'maldição' quebrou-se.

Aos 26 anos, foi nomeado pela primeira vez para um Óscar para Melhor Mistura de Som, pelo filme "Laços de Ternura", realizado por James L. Brooks. A última nomeação que recebeu antes de "O Herói de Hacksaw Ridge" foi em 2008, com o filme "Transformers".

Enquanto discursava, O'Connell agradeceu a Mel Gibson por lhe proporcionar a oportunidade de fazer parte do filme e prestou uma homenagem à mãe, afirmando que é a responsável por esta vitória.

Com esta vitória, Kevin O'Connell deixou de ser a pessoa mais nomeada da história dos Óscares sem nunca receber um prémio.

  • Cerimónia dos Óscares marcada por críticas a Donald Trump
    3:18

    Óscares 2017

    Como se previa, a cerimónia de entrega de Óscares ficou também marcada pelas críticas a Donald Trump. O realizador do Melhor Filme Estrangeiro - o iraniano Asghar Farhadi - faltou em protesto contra as políticas anti-imigração. O Presidente norte-americano foi visado também pelo apresentador da cerimónia e o ator mexicano Gael García Bernal criticou o projeto de construção do muro na fronteira.

  • "O envelope que tramou os Óscares"
    1:48

    Óscares 2017

    Hollywood viveu momentos históricos na 89.º cerimónia dos Óscares. La La Land chegou a ser anunciado como Melhor Filme do ano para a Academia de Hollywood mas Warren Beatty percebeu que tinha cometido um erro e nos agradecimentos tudo mudou. O vencedor da noite foi o filme "Moonlight". Mas afinal o que aconteceu?

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC