sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Bélgica, México e Costa Rica vão investigar "Panama Papers"

A Bélgica, México e Costa Rica juntaram-se à Austrália e Panamá na intenção se verificar de existem delitos fiscais nos respetivos países no caso "Documentos do Panamá", na sequência de uma investigação jornalística internacional.

reuters

Em Bruxelas, o ministro das Finanças da Bélgica, Johan Van Overtveldt, assumiu estar "muito impressionado" com o "escândalo" e criou uma comissão especial para investigar eventuais fugas de impostos de pelo menos 732 cidadãos belgas.

Segundo o jornal Le Soir, entre os belgas mencionados figuram artistas, aristocratas e herdeiros de patrimónios familiares, médicos, farmacêuticos, contabilistas, líderes do setor têxtil, académicos e personalidades dos mundos da comunicação, negócio de diamantes e da indústria.

A maior investigação jornalística da história, dada a conhecer na noite de domingo, envolvendo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington, destaca os nomes de 140 políticos e funcionários de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas "offshore" em mais de 200 países e território.

Na Cidade do México, e num comunicado, o Governo mexicano indicou que vai investigar os dados de um número não avançado de personalidades e empresas mexicanas aparentemente envolvidas.

No entanto, sabe-se que, entre as personalidades mexicanas figuram Juan Armando Hinojosa, dono do Grupo Higa, e que também já esteve envolvido no escândalo do "Caso Casa Branca", que envolveu o presidente Enrique Pena e respetiva mulher, Angélica Rivera, bem como o presidente da TV Azteca, Ricardo Salinas.

Também o Governo da Costa Rica vai investigar os nomes de personalidades e de empresas costa-riquenhas que surgem na lista para determinar eventuais fugas de impostos, mas o número de envolvidos não foi adiantado.

Antes, a Austrália indicou estar a investigar 800 cidadãos por possíveis evasões tributárias após a divulgação da lista de nomes, alegadamente envolvidos em esquemas de corrupção com ?offshores

"Atualmente identificámos mais de 800 contribuintes (australianos) e ligámos mais de 120 deles a um fornecedor associado de serviços situado em Hong Kong", disse o departamento australiano de impostos ao diário The Australian Financial Review.

Segundo a estação local ABC, os suspeitos australianos estão sobretudo ligados à "Popular Corporate Service Limited", um dos fornecedores de serviços "offshore", que procura os serviços da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca para alegadamente contornar a lei.

Na Cidade do Panamá, o Governo panamiano garantiu que irá "cooperar vigorosamente" com todos os Estados sempre que se detetarem provas legais de fuga ao fisco de qualquer um dos visados nos documentos, assegurando um "comprometimento total com a transparência" e "tolerância zero" para qualquer delito.

A lista, que inclui 72 chefes ou ex-chefes de Estado entre os clientes da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca citados por alegados crimes económicos, foi divulgada pelo ICIJ, consórcio que agrega mais de 100 meios de comunicação.

A série de nomes inclui o rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón, o Presidente da Argentina, Mauricio Macri, o futebolista Lionel Messi e o cineasta espanhol Pedro Almodóvar.

O Presidente russo não aparece em nenhum dos registos, mas os dados revelam um padrão: os seus amigos, Yuri Kovalchuk e Sergei Roldugin ganharam milhões em negócios, que aparentemente não poderiam ter sido efetuados sem o seu patrocínio, refere o jornal The Guardian.

Segundo a investigação, na China, personalidades próximas de altos dirigentes chineses, incluindo do Presidente Xi Jinping e do ex-primeiro-ministro Li Peng, esconderam fortunas em paraísos ficais através de empresas de fachada.

Entre os familiares ou pessoas próximos de altos responsáveis chineses figura Deng Jiagui, marido da irmã mais velha de Xi Jinping, bem como o nome de Li Xiaolin, filha de Li Peng, primeiro-ministro chinês entre 1987 e 1998

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.