sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Operação "Panama Papers" gera onda de choque

A operação " Panama Papers", uma investigação realizada por uma centena de jornais que descobriu bens em paraísos fiscais de 140 políticos, futebolistas ou milionários, desencadeou esta segunda-feira uma onda de choque mundial.

Entre cerca de 11,5 milhões de documentos provenientes da firma de advogados panamiana Mossack Fonseca surgem nomes dos círculos restritos dos presidentes russo Vladimir Putin, chinês Xi Jinping, sírio Bashar al-Assad e mexicano Enrique Peña Nieto, e também do presidente ucraniano Petro Poroshenko.

Na lista de personalidades que criaram ou usaram sociedades "offshores" figura o futebolista argentino Lionel Messi, o ator chinês Jackie Chang e o cineasta espanhol Pedro Almodovar.

A investigação desencadeou já crises políticas, em alguns países, e noutros, a promessa de processos judiciais.

O primeiro-ministro islandês, Sigmundur David Gunnlaugsson, que terá criado com a mulher uma sociedade nas Ilhas Virgens britânicas para esconder milhões de dólares, vai enfrentar esta semana uma manifestação em Reiquejavique e uma moção de censura no parlamento.

A família do chefe do governo paquistanês, Nawaz Sharif, também associada ao escândalo, garantiu não ter cometido qualquer ilegalidade, ao colocar os seus bens numa empresa "offshore".

O presidente francês, François Hollande, assegurou que o caso "Panama Papers" vai desencadear, em França, uma série de inquéritos fiscais e "processos judiciários". Ao mesmo tempo, Hollande agradeceu as novas "receitas fiscais" que estas revelações vão originar.

No programa "Cash Investigation", que será difundido na terça-feira na cadeia francesa France 2, promete divulgar informações sobre o antigo ministro Jérôme Cahuzac, o vice presidente da câmara do partido Os Republicanos (LR) de Levallois-Perret (periferia parisiense) Patrick Balkany, o empresário Patrick Drahi, mas também sobre as práticas do banco Société Générale, que afetarão um milhar de franceses.

O diretor do jornal Le Monde, Jérôme Fenoglio, também prometeu hoje na rádio France Inter divulgar o nome de um "grande partido político francês" implicado no escândalo.

Mais de 214 mil entidades "offshore" estão implicadas nas operações financeiras em mais de 200 países e territórios em todo o mundo, de acordo com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

Os documentos, inicialmente conseguidos pelo diário alemão Suddeutsche Zeitung no início do ano passado, foram em seguida divididos pelo ICIJ entre 370 jornalistas de mais de 70 países.

Para a firma de advogados Mossack Fonseca, a publicação dos documentos é "um crime e um ataque" contra o Panamá.

O governo panamiano garantiu que vai "cooperar vigorosamente" com a justiça em caso de abertura de processo judiciário.

"Os documentos mostram que os bancos, as firmas de advogados e outros atores que operam em paraísos fiscais esquecem-se com frequência da obrigação legal de verificar se os clientes não estão implicados em atividades criminosas", afirmou o ICIJ.

De acordo com os documentos publicados pelo organismo, que abrangem um período de cerca de 40 anos, entre 1997 e 2015, próximos do presidente russo, Vladimir Putin, terão desviado até dois mil milhões de dólares com a ajuda de bancos e sociedades fictícias.

Vários familiares de dirigentes africanos também são referidos nos documentos, como Alaa Mubaral, filho do antigo presidente egípcio, ou o sobrinho do presidente sul-africano, Jacob Zuma.

O mundo do futebol, já destaque nos últimos meses por vários escândalos com os dirigentes da FIFA, não foi poupado: o ICIJ refere quatro dos 16 dirigentes da federação internacional, o ex-presidentre da UEFA Michel Platini, e cerca de 20 estrelas do futebol.

Se a operação "Panama Papers" lembra o trabalho realizado pelo site especializado na difusão de documentos secretos, criado em 2006, Wikileaks, o volume de documentos analisados representa "mil vezes mais o que foi recuperado na época de Julian Assange e do Wikileaks", afirmou Jerôme Fenoglio.

Com Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.