sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Obama diz que fuga aos impostos é "um grande problema global"

O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou hoje que a revelação de que poderosos líderes políticos internacionais e homens de negócios esconderam dinheiro em empresas de fachada demonstra que a fuga aos impostos é um problema global.

© Gary Cameron / Reuters

Segundo Obama, as pessoas e empresas ricas estão "a enganar o sistema", fazendo uso de lacunas na legislação tributária a que a maioria dos contribuintes não tem acesso.

Para o Presidente dos Estados Unidos, as empresas do país que se aliam a empresas estrangeiras só para reduzir as suas obrigações tributárias não estão "a pagar a sua parte" por beneficiarem da economia norte-americana.

"A fuga aos impostos é um grande problema global", disse Obama, dias depois de uma fuga de informação de um escritório de advogados do Panamá ter revelado que dezenas de milhares de empresas poderão ter sido usadas para esconder rendimentos.

"Não é caso único dos outros países, porque também há pessoas na América que estão a retirar benefícios da mesma coisa. Grande parte daquilo é ilegal -- esse é o problema", observou.

Obama falava no dia após o departamento do Tesouro ter tornado mais rígidas as regras contra acordos de "inversão" de impostos, em que empresas norte-americanas se fundem com companhias estrangeiras para mudar a sua morada oficial para um 'offshore' -- embora não as suas operações nos Estados Unidos -- para evitar pagar impostos no país.

Tais jogadas -- como uma aliança pendente de 160 mil milhões de dólares entre as gigantes farmacêuticas Pfizer e Allergan -- exploram alçapões na legislação que permitem às empresas "furtar-se a pagar a sua justa parte de impostos no país" onde estão sediadas, disse Obama.

"Elas abdicam da nacionalidade e declaram que estão sediadas noutro sítio. Obtêm todas as vantagens de serem empresas norte-americanas sem cumprirem as obrigações de pagar os seus impostos, como toda a gente tem de fazer", frisou.

"Deixam-nos a nós a pagar a conta. Isso faz com que os cidadãos norte-americanos que trabalham arduamente sintam que o jogo está viciado contra eles", acrescentou.

O chefe de Estado apelou ao Congresso para tomar medidas de alteração da legislação tributária para eliminar as lacunas que permitem tão flagrantes manobras de evasão fiscal.

Lusa

  • "Luxemburgo é um gigantesco offshore onde entram todo os dias malas com dinheiro"
    6:04

    José Gomes Ferreira

    Dados do Banco de Portugal indicam que todos os dias saem 2 milhões de euros de Portugal para contas offshore. José Gomes Ferreira comenta a saída de dinheiro para paraísos fiscais, bem como os últimos desenvolvimento do escândalo "Panama Papers". O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação divulgou este domingo a identidade de vários personalidades que estão de alguma forma envolvidos neste caso de corrupção e fuga fiscal à escala mundial. José Gomes Ferreira critica a falta de vontade política para pôr fim a estes paraísos fiscais, nomeadamente por parte do FMI, e cita o exemplo do Luxemburgo, bem no centro da Europa.

  • BE marca debate de atualidade com a mira na praça financeira da Madeira
    0:30

    Panama Papers

    O Bloco de Esquerda defende o fim das offshores para evitar situações como as que foram denunciadas pelos "Panama Papers". A líder do partido, Catarina Martins, afirma que Portugal pode dar o exemplo ao acabar com a offshore da Madeira. O BE anunciou hoje a marcação para quarta-feira, no Parlamento, de um debate de atualidade sobre as consequências dos paraísos fiscais, durante o qual, no plano nacional, insistirá no fim da praça financeira da Madeira.

  • Primeiro-ministro da Islândia apresenta demissão

    Panama Papers

    O primeiro-ministro da Islândia Sigmundur Gunnlaugsson, alegadamente envolvido no caso "Panama Papers", demitiu-se hoje do cargo, anunciou o seu Partido Progressista que lidera a coligação no poder. Previamente, o Presidente da Islândia tinha anunciado numa comunicação televisiva a sua recusa em dissolver o Parlamento do país, contrariando um pedido nesse sentido emitido por Gunnlaugsson.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02