sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Próximos de Le Pen usam offshore para tirar dinheiro de França

Figuras muito próximas da líder da Frente Nacional francesa terão montado um "sistema sofisticado" de utilização de praças "offshore" para fazer sair dinheiro de França, avança hoje o jornal Le Monde, baseando-se no caso dos "Panama Papers".

Reuters

De acordo com o diário francês, elementos do "primeiro círculo de fiéis" de Marine Le Pen "puseram em prática um sistema offshore sofisticado" para tirar dinheiro de França.

"O sistema, entre Hong Kong, Singapura, as Ilhas Virgens Britânicas e o Panamá", foi "utilizado para fazer sair dinheiro de França, através de sociedades fictícias e de faturas falsas, com o objetivo de escapar aos meios franceses para evitar o branqueamento de capitais", adianta o jornal.

O Le Monde, com base no caso dos Panama Papers da empresa Mossack Fonseca, aponta o nome de do contabilista e ex-conselheiro da FN Nicolas Crochet e do empresário Frederic Chatillon, chefe da empresa Riwal, que criou serviços de comunicação para os candidatos da Frente Nacional.

Quando estava iminente a divulgação do caso, Chatillon disse na segunda-feira que iria colocar à disposição dos jornalistas os "documentos comprovativos da legalidade de todas as operações".

A Frente Nacional assegurou, entretanto, em comunicado, "não estar envolvida no caso 'Panama Papers'".

De acordo com o Le Monde, "em 2012, logo após a eleição presidencial, Frederic Chatillon combinou com Nicolas Crochet fazer sair 316.000 euros da Riwal e do território francês".

A maior investigação jornalística da história, divulgada na noite de domingo, envolve o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington, e destaca os nomes de 140 políticos de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas "offshore" em mais de 200 países e territórios.

Com Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.