sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Procurador-geral do Equador pede auditoria às suas próprias contas

O procurador-geral do Equador, Galo Chiriboga, negou hoje ter contas em paraísos fiscais e disse que vai pedir uma auditoria às suas próprias declarações de bens, depois de o seu nome ter surgido nos "Panama Papers". Chiriboga, que deu declarações à imprensa através de videoconferência a partir de Espanha, disse que na próxima segunda-feira vai pedir aos organismos do seu país para investigarem as suas declarações de bens e o cumprimento das suas obrigações fiscais.

RONALD ZAK

"O facto de o meu nome estar no Panama Papers não implica (...) que haja uma infração", afirmou.

O nome de Galo Chiriboga, segundo a imprensa equatoriana, surge nos "Panama Papers" associado à empresa Madrigal Finance, registada no Panamá e da qual seria proprietário.

"Não tenho qualquer conta em nenhum paraíso fiscal, a empresa Madrigal não faz operações de nenhuma natureza no país, nem no Panamá nem em lado nenhum do mundo e espero que isso seja verificado pela auditoria a realizar pelo Serviço de Rendimentos Internos", disse.

O procurador-geral equatoriano disse que a empresa foi constituída em 1999, quando não exercia atividade pública e que está inscrita num processo em que um banco não pode honrar uma obrigação a seu favor, pelo que recebeu como pagamento os direitos judiciais de um crédito hipotecário.

Chiriboga também disse que esses direitos foram transferidos para a citada empresa porque dadas as "condições de crise do sistema político e económico equatoriano" naquele momento, era necessário "tomar medidas para proteger esse dinheiro".

"Panama Papqers" são o resultado da maior investigação jornalística da história, divulgada na noite de domingo, envolvendo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington.

Na investigação são destacados os nomes de 140 políticos de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas 'offshore' em mais de 200 países e territórios.

A partir dos Panama Papers, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em 'offshores' e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património, entre eles o rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

Com Lusa

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.