sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Centenas de pessoas exigem a demissão imediata de David Cameron

Centenas de pessoas participam num protesto junto a Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro britânico. Exigem a demissão imediata de David Cameron, depois de conhecido o envolvimento do primeiro-ministro no escândalo dos Panama Papers.

© Neil Hall / Reuters

Alguns manifestantes têm máscaras onde se pode ler a palavra ganância e aparecem a comer notas de plástico, outros empunham cartazes a dizer que Cameron tem de sair já.

O primeiro-ministro britânico tem estado debaixo de fogo depois de ter admitido que ganhou cerca de 30 mil libras provenientes de um paraíso fiscal criado pelo pai. Depois desta revelação, Cameron atingiu o mais baixo nível de popularidade dos últimos anos.

  • O escândalo dos Panama Papers pelo mundo
    2:14

    Panama Papers

    No Reino Unido, o primeiro-ministro britânico nega qualquer ilegalidade. David Cameron garante que pagou os impostos devidos pelas ações no fundo offshore do pai, referenciado no escândalo "Panama Papers". O primeiro-ministro recebeu 430 mil euros da herança do pai, mas diz que não conhece a origem do dinheiro. Na Argentina, manifestantes pediram demissão do presidente. Mauricio Macri diz que não cometeu qualquer ilegalidade. Na Rússia, Putin afirma que amigo gastou dinheiro com doação de instrumentos à Rússia. No Panamá, empresa Mossack Fonseca fala no roubo de ficheiros a partir de uma servidor estrangeiro.

  • David Cameron faz mea culpa e promete revelar todos os registos fiscais
    0:32

    Panama Papers

    David Cameron disse esta manhã que vai revelar publicamente todos os seus registos fiscais para esclarecer a polémica em que se viu envolvido da investigação Panamá Papers. Num discurso no fórum do partido conservador britânico do qual é líder, o primeiro ministro reconhece que conduziu mal o processo dos registos fiscais da família nomeadamente no que diz respeito ao pagamento de impostos.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.